Governo reitera transformação de residência de Agostinho Neto em museu

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O vice-governador de Malanje para o sector Político, Económico e Social, Domingos Eduardo, reiterou hoje (terça-feira), nesta cidade, a intenção do governo transformar a residência onde viveu o primeiro Presidente de Angola, António Agostinho Neto, em museu.

Essa intenção, de acordo com o responsável, visa homenagear a figura de Agostinho Neto enquanto fundador da nação, bem como dar novo alento e dignidade a residência e a rua 15 de Agosto, onde a mesma se situa.

Sem precisar datas de execução, o vice-governador realçou igualmente o projecto de construção da aldeia de Teka-dia-kinda, na comuna de Xandel, município do Quela, em homenagem às vítimas do massacre de 4 de Janeiro de 1961, uma iniciativa que visa também honrar a memória de Agostinho Neto, por ser ele o mentor da mesma, o que ainda não se concretizou devido ao conflito armado que afectou o país.

Domingos Eduardo falava na abertura das jornadas do Conselho Provincial da Juventude (CPJ) comemorativas ao 17 de Setembro, Dia do Herói Nacional, tendo na ocasião reflectido sobre a vida, obra e trajectória do primeiro Presidente de Angola, António Agostinho Neto.

Considerou que Malanje entra na senda das exaltações do fundador da nação, pois para além de ter residido nela e prometido a construção da aldeia de Teka-dia-kinda, foi a última província do país que visitou antes de falecer e onde proferiu o seu maior legado, segundo o qual, “O mais importante é resolver os problemas do povo” e “A revolução vai continuar, a revolução vai triunfar”.

Por outro lado, o vice-governador anunciou a promoção da festa do centenário de Agostinho Neto, a 17 de Setembro de 2022, a nível nacional, como forma de continuar a enaltecer a sua figura.

Na ocasião, a secretária executiva do CPJ em Malanje, Maria Ulo, realçou que falar do Herói Nacional, é falar de uma pessoa que lutou e deu o seu melhor para a libertação dos angolanos do jugo colonial, cuja luta culminou com outras conquistas até ao alcance da paz em 2002, rumo ao desenvolvimento integral do país.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.