EGTI reforça fiscalização de terrenos no Kilamba

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A Empresa Gestora de Terrenos Infraestruturados (EGTI) advertiu, esta terça-feira, que vai reforçar a fiscalização das áreas adjacentes à Centralidade do Kilamba e proceder à destruição imediata das lavras ali existentes.

Uma fonte da empresa, contactada pela ANGOP, informou que se assiste a uma tendência crescente de ocupação ilegal de terrenos, tranformados em lavras, em particular junto à Via Expressa (1) e à Avenida Neves Bendinha (2).

A lavra junto à Via Expressa data desde o início da construção do Kilamba, em 2008, mas numa dimensão muito inferior à actual.

Estima-se que, desde o início da gestão comercial da EGTI, a dimensão desta lavra tenha aumentado em 50%, ocupando, actualmente, cerca de 52 hectares de terra.

Já as lavras da Neves Bendinha surgiram no decurso do presente ano (2020), ocupando já mais de 1 hectare, de acordo com a fonte.

A ocupação dos terrenos adjacentes, explicou, “é feita por passagem de palavra dos actuais agricultores” ou mediante “ocupação agressiva, com conivência dos camponeses”.

Afirmou que a Administração do Kilamba tem o cadastro das lavras, desde a constituição da centralidade, sem precisar quantas existem.

“Até ao momento, ninguém foi responsabilizado, embora a EGTI tem garantido todo apoio à  Administração Local, desde o início das suas actividades, para assegurar o controle da área”, declarou.

A empresa levou a cabo, nesta segunda-feira,  uma acção de sensibilização para combater a ocupação ilegal de terrenos no Kilamba.

Deste acto resultou o desencorajamento dos cidadãos que enveredam por esta práctica, que, por via da criação de lavras, violam os espaços sob jurisdição da EGTI, pondo em risco o figurino da cidade e o seu desenvolvimento.

A fim de combater estas práticas, a empresa vem delimitando uma área específica para a continuidade desta actividade, nomeadamente junto à Via Expressa, onde o terreno já é vocacionado para a exploração agrícola.

Esta acção dá origem a uma horta urbana e sustentável, que apoia e suporta o crescimento das comunidades locais, em alinhamento com as boas práticas nacionais e internacionais emanadas  no PDN 2018-2020, bem como em diretrizes da UnHabitat”.

Segundo a fonte, os parâmetros para a prática agrícola estão a ser definidos com o apoio do Instituto Nacional de Gestão Ambiental (INGA), e terão carácter de Lei, com a conclusão do Plano Director do Kilamba, ainda em fase de aprovação.

Anunciou que noutras áreas, dado que a prática agrícola desordenada não é condizente com a vida urbana, haverá o reforço da fiscalização dos terrenos e imediata destruição de todas as lavras existentes, num conceito de hortas urbanas devidamente ordenadas.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.