Centro em Luanda recorda “viagem filosófica” pela Amazónia de explorador luso-brasileiro

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A “viagem filosófica” que o naturalista luso-brasileiro Alexandre Rodrigues Ferreira empreendeu à Amazónia no século XVIII é recordada pelo Centro Cultural Brasil-Angola, em Luanda, levando os visitantes pelos caminhos da expedição que durou quase uma década.

O responsável do setor cultural da embaixada brasileira em Angola, Sérgio Toledo, explicou hoje que o objetivo da exposição foi reabrir, de forma virtual, o Centro Cultural Brasil-Angola (CCBA), desde março encerrado ao público por causa da covid-19, contando a história de uma das primeiras expedições científicas à Amazónia, durante a qual foram recolhidos 23 mil artigos, posteriormente catalogados em Portugal.

A expedição, financiada pela Coroa portuguesa, aconteceu numa altura em que o Brasil sofria incursões de outras potências na então colónia, sobretudo dos ingleses, importando por isso mapear o território e aumentar o conhecimento científico, explicou à Lusa o curador da exposição, o artista plástico Klaus Novais.

Esta não foi a única das “viagens filosóficas”, ordenadas pela rainha D. Maria I, que enviou também missões a Angola, Moçambique, Goa e Cabo Verde.

Nascido em Salvador, Bahia, em 27 de abril de 1756, Alexandre Rodrigues Ferreira, filho de comerciantes portugueses, formou-se em Coimbra na Faculdade de Filosofia Natural e foi o escolhido para empreender a “viagem filosófica” que saiu da Ilha de Marajó (Pará) em 21 de outubro de 1783 e chegou a Cuiabá (Mato Grosso) nove anos depois.

Durante esse período, o naturalista, acompanhado de dois ‘riscadores’, como eram apelidados os desenhadores da altura, e um jardineiro botânico, percorreu todo o rio Amazonas, chegou à fronteira da Venezuela e do Peru, tendo recolhido mais de 23 mil peças que foram posteriormente transportadas para Portugal para serem catalogadas.

A coleção incluía animais embalsamados, amostras de plantas e sementes, minerais, artefactos indígenas e armas e ilustrações e gravuras que retratam a realidade amazónica no século das Luzes.

De regresso a Portugal, Alexandre Rodrigues Ferreira instalou-se no Palácio da Ajuda e passou anos a catalogar a coleção que, no entanto, nunca recebeu o devido reconhecimento e ficou semi-esquecida.

“O espólio ficou disperso”, adianta Klaus Novais. Parte ficou em Portugal, parte foi levada para o Brasil, onde a Corte portuguesa encontrou refúgio das tropas napoleónicas a partir de 1808, e outras peças encontram-se em França.

O curador assinala que, embora o principal objetivo fosse aumentar o conhecimento sobre a geografia, a fauna e a flora, Alexandre Rodrigues Ferreira acabou por fazer também um retrato antropológico dos povos indígenas e regressou a Portugal “muito sensibilizado” pela sua vivência de quase uma década na selva.

Da exibição fazem parte ilustrações e gravuras que mostram em detalhe a fauna e a flora local, paisagens, aldeias e a cultura dos povos indígenas no olhar dos desenhadores que acompanharam Alexandre Rodrigues Ferreira.

A Fundação Biblioteca Nacional detém as obras em acervo digital, tendo publicado na década de 1970 as reproduções que fazem parte do acervo do CCBA e são expostas pela primeira vez na instituição.

A iniciativa marca também os cinco anos do CCBA na nova sede, um edifício reabilitado datado do início do século XX que foi anteriormente o Grande Hotel de Luanda.

A exposição que foi inaugurada em 07 de setembro, dia da Independência do Brasil, vai ficar ‘online’ pelo menos um mês e migrar depois para o portal onde são disponibilizados os acervos dos vários centros culturais.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.