Biden prepara equipa legal para o caso de resultado ser contestado

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O candidato democrata à presidência dos EUA, Joe Biden, criou uma equipa com centenas de advogados, para a eventualidade de o adversário, Donald Trump, disputar o resultado das eleições, revelou o jornal The New York Times.

A equipa é liderada por dois juristas que trabalharam para o ex-Presidente Barack Obama e, de acordo com a campanha de Biden, será “o maior programa de proteção eleitoral da história das campanhas presidenciais”.

A intenção desta equipa é salvaguardar a integridade das eleições e espoletar litígios quando considerar que o direito de voto está a ser violado, tendo em conta as circunstâncias particulares deste ato eleitoral, em plena pandemia de covid-19, em que muitos votos serão depositados por correspondência.

Donald Trump, atual Presidente e candidato à reeleição, já avisou que pode não aceitar o resultado das eleições, alegando que o voto por correio pode distorcer a verdade democrática, acreditando que pode permitir que alguns eleitores votem mais do que uma vez.

A equipe de juristas de Biden será liderada por Dana Remus, consultora jurídica da sua campanha e ex-chefe de assuntos jurídicos da Fundação Obama, e Bob Bauer, consultor jurídico durante o mandato de Obama e que trabalha como consultor de Biden, desde o verão.

A ambos cabe a criação de uma unidade de “contencioso especial” que contará com a liderança de dois ex-procuradores e que fiscalizará centenas de advogados distribuídos por todo o país, com o objetivo de levantar possíveis ações judiciais a nível estadual ou municipal, em matéria eleitoral.

A equipe será auxiliada pelo primeiro procurador-geral durante os mandatos de Obama, Eric Holder, que coordenará as ações judiciais entre a campanha e grupos progressistas independentes ou vinculados aos democratas que analisam aspetos do processo eleitoral.

Em entrevista ao The New York Times, Bauer assegurou que há receio de que Trump venha a usar os poderes do Governo federal para benefício político, durante o processo eleitoral.

As dimensões desta operação legal da campanha de Biden mostram que os democratas têm um medo real de que o resultado da eleição de 03 de novembro possa ser contestado no tribunal e que o vencedor da eleição só possa ser determinado dias ou semanas após o ato eleitoral, como sucedeu em 2000, quando os resultados, após a recontagem fracassada do estado da Flórida foi decidido pelo Supremo Tribunal.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.