Governo do Brasil diz que vacinação no país começará em janeiro de 2021

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O ministro interino da Saúde brasileiro, Eduardo Pazuello, disse hoje que o país dará início à vacinação da população contra o novo coronavírus em janeiro do próximo ano.

A informação foi dada durante uma entrevista feita por uma ‘youtuber’ brasileira de 10 anos que, a convite do Presidente, Jair Bolsonaro, questionou vários ministros do atual executivo.

A criança, chamada Esther, questionou Pazuello que haverá vacina para a covid-19 disponível para todos os brasileiros.

“Esse é o plano. Estamos a fazer os contratos com quem está a fazer a vacina e a previsão é que essa vacina chegue para nós a partir de janeiro. Em janeiro do ano que vem, começaremos a vacinar todo o mundo”, respondeu o ministro interino da Saúde, o militar Eduardo Pazuello.

Já o chefe de Estado, Jair Bolsonaro, voltou hoje a defender a não obrigatoriedade da vacina contra o novo coronavírus no Brasil, assim que estiver disponível.

“Não podemos injetar qualquer coisa nas pessoas e muito menos obrigar. Eu falei, inclusive, que ninguém vai ser obrigado a tomar vacina, e o mundo caiu na minha cabeça. A vacina é uma coisa que, no meu entender, você faz a campanha e busca uma solução. Você não pode amarrar o cidadão e dar a vacina nele. Eu acho que não pode ser assim”, afirmou o Presidente, numa reunião com médicos defensores do uso da hidroxicloroquina no tratamento precoce da covid-19.

Na passada, Bolsonaro já tinha dito que “ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacina”.

Contudo, em fevereiro deste ano, segundo a imprensa local, Bolsonaro sancionou uma lei que permite a adoção de uma série de medidas face a emergência de Saúde, entre elas a “determinação de realização compulsória de vacinação e outras medidas profiláticas”.

Com cerca de 212 milhões de habitantes e um elevado número de casos de infeção pelo novo coronavírus, o país sul-americano é considerado um laboratório ideal para testar várias potenciais vacinas, com farmacêuticas a procurarem agora verificar a sua eficácia e segurança.

No mês passado, a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), organismo tutelado pelo Ministério da Saúde, aprovou o início dos ensaios clínicos no Brasil de uma nova vacina contra a covid-19, a quarta a ser experimentada no país contra o vírus.

A multinacional Johnson&Johnson recebeu autorização para testar a sua vacina em estudos clínicos na fase três (com milhares de pessoas), o que já está a ser feito no Brasil com imunizantes desenvolvidos pelo Reino Unido (AstraZeneca e Universidade de Oxford), China (Sinovac Biotech), e pelo consórcio BioNTech (Alemanha) e Wyeth/Pfizer (Estados Unidos).

Já o governo do estado brasileiro do Paraná informou na semana passada que os testes da última fase de uma futura vacina desenvolvida na Rússia contra a covid-19, denominada Sputnik V, devem ser aplicados no Brasil já em outubro.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo número de mortos (mais de 4,1 milhões de casos e 126.960 óbitos), depois dos Estados Unidos.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 893.524 mortos e infetou mais de 27,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.