Masfamu dá protecção social a 18 mil crianças

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Dezoito mil crianças menores de cinco anos, das províncias do Moxico, Bié e Uíge, beneficiaram, desde Agosto de 2019, de um total de AKz 776 milhões e 808 mil com as transferências sociais monetárias, através do “Programa Valor”, no quadro do Projecto de Apoio à Protecção Social (Aprosoc), anunciou hoje (segunda-feira) o ponto focal do projecto, Ana Teresinha.

Da iniciativa do Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher (Masfamu), a iniciativa, que prevê assistir 20 mil crianças menores de cinco anos até Dezembro de 2020, já atingiu 90 % do número de beneficiários.

Financiado pela União Europeia e tem o apoio técnico do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e do Consórcio de empresas Louis Berger, o valor global disponibilizado  às crianças, assim como para as operações para que o dinheiro chegue até às famílias, é de nove milhões e 200 mil euros.

Nesta acção, que abrange seis municípios, dividido em vários ciclos de transferência social  monetária, a província do Bié já beneficiou de AKz 367 milhões e 953 mil, Moxico recebeu 212 milhões e 244 mil e a província do Uíge de AKz 196 milhões e 611 mil.   

Inicialmente, o valor atribuído era de três mil kwanzas/mês por criança, uma vez em cada trimestre, mas passou para cinco mil kwanzas desde Abril de 2020, devido ao aumento das dificuldades que estas famílias enfrentam, com a Covid-19.

Para este programa, cada família puderam registar até três petizes, tendo o cadastramento sido feito nos Centros de Acção Social Integrados (CASI), desenvolvidos através do Programa de Municipalização da Acção Social.

O projecto, iniciado na província do Bié a 28 de Agosto, visa garantir uma dieta melhorada aos menores, essencial para o seu quadro nutricional e desenvolvimento cognitivo, bem como aumentar o acesso a serviços essenciais de saúde e educação.

Para o atendimento das famílias sem documentos, Ana Teresinha avançou que o Masfamu criou o “Cartão Azul”, validado pelo Banco Nacional de Angola (BNA), facilitando a abertura de contas dos visados nos bancos que aderiram ao projecto.

Ana Teresinha referiu que o projecto-piloto abrangeu 257 aldeias nos municípios da Damba e Uíge  (Uíge), Lucusse e Camanongue (Moxico), e Chinguar e Catabola (Bié).

A Municipalização da Acção Social é um novo modelo de intervenção descentralizado da política de protecção social que conta com o apoio do projecto APROSOC.

O APROSOC teve início em 2014 e nasce num contexto em que o Estado angolano pretende aumentar o nível de integração das intervenções sociais em Angola e visa o emponderamento da mulher, inclusão financeira, entraves da literacia financeira, entre outros benefícios.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.