Sindicato dos Médicos acusa polícia de “excesso de zelo” na morte do médico Sílvio de Andrade Dala

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O presidente do Sindicato dos Médicos, Adriano Manuel, acusou a Polícia Nacional de ter tido “excesso de zelo” ao prender o médico Sílvio Andrade Dala e tê-lo posto na cela por 5 mil kwanzas quando este se tinha identificado como médico.

O presidente do sindicado da classe médica pediu em declarações à Rádio Nacional de Angola, que a polícia esclareça a morte do médico Sílvio Andrade Dala.

“O que nós estamos a pedir é que eventualmente se esclareça a morte do nosso colega, porque achamos nós haver um excesso de zelo por parte da polícia”, disse.

O responsável sindical também questionou a atuação da polícia sobre as alegações de que não havia meio de transporta para socorrer o médico Sílvio Andrade Dala.

“Primeira pergunta é porque é que não o levaram com o seu transporte, uma vez que o seu transporte estava mesmo na polícia”.

A segundo pergunta é porque que não o levaram para um hospital mais próximo? As informações que a polícia nos passa, são informações contraditórias. Primeiro a polícia diz que levou o nosso colega por volta das 18 ou 19 horas para o hospital, mas os nossos colegas do Prenda afirmam que corpo do nosso colega chegou às 00:00 horas. A polícia diz que o nosso colega teve um ataque e desfaleceu, no entanto, a informação que obtivemos, diz que o nosso colega convulsionou”, questionou Adriano Manuel a contraditoriedade das informações prestadas pela polícia.

“Mas a nossa inquietação reside no seguinte: o nosso colega é médico identificou-se como médico, no seu carro tinha bata, o que é que faz colocar um médico na cela por causa de 5.000 kwanzas? Porque é que não retiveram a viatura e concomitantemente os documentos e ele ia buscar a viatura quando pagasse o dinheiro”, questionou novamente.

“Um colega com 5 filhos, cuida dos seus 5 irmãos, perde a sua vida num curto espaço de tempo”, lamentou Adriano Manuel questionando “porque o excesso de zelo da polícia quando um médico depois de 24 mais 8 horas de trabalho, identificado, é colocado na cela”.

Por sua vez, a Delegação do Ministério do Interior de Luanda descarta qualquer responsabilidade na morte do médico Sílvio Andrade Dala.

Em comunicado divulgado à imprensa, a Delegação do Ministério do Interior em Luanda esclarece que “após ter sido detido por estar a circular na via pública sem máscara, Sílvio Andrade Dala foi levado para a Esquadra dos Catotes, no bairro Rocha Pinto. Durante esse período apresentou sinais de fadiga e começou a desfalecer, tendo uma queda aparatosa que provocou ferimentos ligeiros na região da cabeça. Devido ao seu estado grave, foi socorrido para o Hospital do Prenda e no trajeto acabou por morrer”

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.