Petroleiro em chamas na costa do Sri Lanka

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Um petroleiro com bandeira panamenha, com mais de 270.000 toneladas de petróleo, estava em chamas nesta sexta-feira perto da costa do Sri Lanka, pelo segundo dia consecutivo, agravando os temores de um grande vazamento no Oceano Índico.

Navios do exército cingalês e da Guarda Costeira da Índia tentavam controlar as chamas, com a ajuda de um helicóptero de combate a incêndios. Outras embarcações da Marinha indiana estavam em rota para ajudar nas operações.

O “New Diamond”, que transporta 270.000 toneladas de petróleo bruto e 1.700 de diesel, emitiu um pedido de socorro na quinta-feira, após uma explosão em uma sala de máquinas, quando estava a 60 quilômetros da costa cingalesa.

As Ilhas Maldivas, localizadas cerca de 1.000 quilômetros a sudoeste do Sri Lanka, expressaram preocupação com um eventual derramamento de óleo.

De acordo com a Guarda Costeira indiana, o casco do “New Diamond” tem uma fissura de dois metros acima da linha da água.

No entanto, o Centro de Gerenciamento de Desastres do Sri Lanka garantiu que não há perigo iminente de um vazamento de petróleo.

“Não é tão sério quanto parece”, disse o diretor do centro, Sudantha Ranasinghe, à AFP. “O fogo não se espalhou para a carga. Assim que as chamas forem extintas, o navio será rebocado para águas mais profundas”, explicou.

As autoridades cogitam um transbordo da carga, segundo o responsável.

Um marinheiro filipino morreu na explosão, confirmou a Marinha do Sri Lanka.

O terceiro oficial do petroleiro, também de origem filipina, está hospitalizado com queimaduras graves em Kalmunai, 360 km a leste de Colombo. Seu estado de saúde é estável, de acordo com o porta-voz da Marinha.

O petroleiro, de 330 metros de comprimento, do tipo VLCC (Very large crude carrier), tinha 23 tripulantes: 18 filipinos e cinco gregos. Todos foram retirados da embarcação na quinta-feira, exceto o corpo do marinheiro que faleceu na explosão.

O petroleiro saiu do Kuwait e tinha como destino o porto indiano de Paradip.

No final de julho, um petroleiro japonês, o “MV Wakashio”, naufragou em um recife no sudoeste das Ilhas Maurício.

Três semanas depois, o navio se partiu em dois, após uma corrida contra o tempo para extrair o combustível que continha.

Enquanto isso, o “MV Wakashio” derramou mais de 1.000 toneladas de combustível que se espalharam pela costa, em particular por áreas protegidas de manguezais e espécies ameaçadas de extinção, e as águas cristalinas apreciadas pelos turistas.

As Maldivas estão preocupadas com um possível derramamento de petróleo do “New Diamond”, o que poderia causar sérios danos ao meio ambiente.

Este arquipélago de 1.192 ilhas de coral depende da pesca e do turismo.

Ahmed Naseem, o ministro do Executivo das Maldivas, pediu medidas urgentes para proteger o território. Um derramamento de petróleo pode “ser um grande desastre”, alertou.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.