Steve Bannon declara-se não culpado da acusação de desvio de dinheiro

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O antigo conselheiro da Casa Branca Steve Bannon declarou-se hoje não culpado da acusação de desvio de dinheiro, em declarações no tribunal federal de Manhattan, depois de ter sido detido a bordo de um iate, ao largo do Connecticut.

Bannon foi hoje detido sob a acusação de, em colaboração com três outras pessoas, desviar dinheiro de doadores num esquema de arrecadação de fundos para a campanha “Nós construímos o muro”.

O juiz determinou uma caução de cinco milhões de dólares (4,2 milhões de euros), dos quais 1,75 milhões em bens.

Os procuradores federais alegam que Bannon e três outras pessoas “orquestraram um esquema para defraudar centenas de milhares de doadores” em ligação com a campanha de ‘crowdfunding’ que juntou mais de 25 milhões de dólares (20,99 milhões de euros) para construir um muro ao longo da fronteira sul dos Estados Unidos com o México.

Bannon é suspeito de ter desviado um milhão de dólares para proveito pessoal.

Segundo a acusação, o antigo conselheiro de Trump garantia que 100% do dinheiro obtido seria utilizado no projeto, mas os réus acabaram por usar coletivamente centenas de milhares de dólares “de uma maneira inconsistente com as representações públicas da organização”.

A acusação avança também que os quatro réus falsificaram faturas e elaboraram “arranjos com fornecedores”, entre outras formas, para desviar o dinheiro, com Bannon a utilizá-lo para “pagar despesas pessoais”.

Num comunicado, Audrey Strauss, procuradora em funções do Distrito sul de Nova Iorque, a campanha também permitiu desviar dinheiro para Brian Kolfage, um veterano da guerra no Iraque, que foi quem criou a iniciativa para a construção do muro, apesar de ter garantido aos doadores que não receberia sequer um cêntimo.

Além de Bannon, foram também detidos o próprio Kolfage e outros dois acusados — Andrew Badolato e Timothy Shea — pelo papel desempenhado na suposta fraude.

Bannon, que serviu na Marinha e trabalhou como banqueiro de investimentos na Goldman Sachs antes de se tornar um produtor de Hollywood, está atualmente a apresentar um ‘podcast’ pró-Trump, intitulado “War Room”, que começou durante o processo de ‘impeachment’ do Presidente norte-americano (em dezembro de 2019) e que continuou durante a pandemia de covid-19.

Donald Trump, afirmou hoje nada conhecer sobre o portal de ‘crowdfunding’ para financiar a construção de um muro ao longo da fronteira entre os Estados Unidos e o México.

A partir da Sala Oval, na Casa Branca, Trump reagiu à acusação de desvio de fundos de que foi alvo o seu antigo conselheiro Steve Bannon, afastado em 2017.

“Não tenho tido contactos com ele [Bannon] há muito tempo. Não sei nada sobre esse projeto. Estava convencido de que era algo que não deveria ser feito”, afirmou o Presidente dos Estados Unidos, que indicou ter-se oposto à ideia de procurar fundos privados para construir o muro.

Esta detenção torna Bannon na mais recente entrada em uma longa lista de colaboradores e assessores de Trump que foram acusados na justiça. São os casos do presidente da campanha eleitoral de 2016, Paul Manafort, que foi substituído por Bannon, o seu advogado pessoal de longa data, Michael Cohen, e o antigo assessor de Segurança Nacional Michael Flynn.

Trump já deixou claro que está disposto a usar o seu quase ilimitado poder de perdão para ajudar os seus aliados com problemas com a justiça, como fez recentemente ao comutar a sentença do seu velho conselheiro Roger Stone.

Bannon foi detido pela polícia dos correios norte-americanos (U.S. Postal Inspection Service) a bordo de um iate, chamado “Lady May”, que é propriedade de um exilado chinês multimilionário, à venda por 28 milhões de dólares.

Um dos outros acusados é Timothy Shea, que possui uma empresa de bebidas energéticas, a Winning Energy. As suas embalagens de bebidas têm uma imagem de Trump vestido de super-herói e com a legenda de conter “as onças de lágrimas liberais”.

Outros membros proeminentes deste grupo, que dizia querer construir um pedaço do muro prometido por Trump na fronteira com o México, são o antigo secretário de Estado do Kansas Kris Kobach, Erik Prince, fundador da empresa de segurança Blackwater, agora Academi, e irmão da secretária da Educação do Governo de Trump, Betsy Devos, e o antigo congressista republicano Tom Tancredo, do Colorado. Todos estes membros não estão acusados neste processo.

Benjamin Harnwell, que lançou com Bannon um instituto em Itália para formar políticos populistas, considerou a acusação “espúria” e uma evidência de que as “forças da escuridão” não vão parar perante nada para destruir Bannon.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.