Novo protesto da oposição aumenta a pressão sobre presidente bielorrusso

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Milhares de partidários da oposição de Belarus se concentraram na noite desta segunda-feira (17) numa nova manifestação após um dia tenso para o presidente Alexandre Lukashenko, que foi vaiado por operários numa fábrica e confrontado com um movimento grevista crescente.

Pelo menos 5.000 pessoas protestaram à noite em Minsk, gritando “Fora!” ao chefe de Estado no poder desde 1994 e reeleito para um sexto mandato com 80% dos votos em uma eleição presidencial muito questionada em 9 de agosto.

A oposição, que no domingo reuniu mais de 100.000 pessoas na maior manifestação da história do país, denuncia fraudes maciças e pede que Lukashenko entregue o poder à líder da oposição, Svetlana Tijanovskaya, refugiada na Lituânia, e que se disse disposta a “assumir suas responsabilidades”.

Os manifestantes de Minsk pediram a libertação dos “prisioneiros políticos” em frente a um centro de detenção da capital.

Também declararam apoio a Pavel Latushk, ex-ministro da Cultura e diretor do teatro acadêmico de Estado, suspenso na segunda-feira por ter pedido publicamente novas eleições e a saída de Lukashenko. Segundo a imprensa bielorrussa, vários membros de sua companhia se demitiram em solidariedade.

O apoio às reivindicações da oposição se multiplicam, em particular com greves em várias empresas estatais e setores industriais vitais para a economia do país. “Instamos a todos os coletivos de trabalhadores a se somarem à greve ilimitada, exigindo a demissão de Alexandre Lukashenko”, declarou a equipa de campanha de Tijanovskaya.

– Desafiador –

Mais cedo, Lukashenko protagonizou um confronto tenso com trabalhadores em greve no dia seguinte a uma manifestação gigantesca para pedir sua renúncia.

Esta manhã, milhares de manifestantes se reuniram diante da fábrica de veículos pesados (MZKT) e da fábrica de tratores (MTZ) de Minsk, assim como em frente à sede da televisão governamental bielorrussa. Com bandeiras brancas e vermelhas, as cores da oposição, gritavam slogans contra o poder.

A visita do presidente à fábrica MZKT, aonde chegou de helicóptero, provocou um choque com trabalhadores que lhe gritaram “fora!”, enquanto discursava e respondia perguntas.

“Obrigado, já disse tudo o que queria dizer. Podem dizer ‘fora'”, afirmou Lukashenko no final de seu discurso, visivelmente irritado.

O presidente insistiu que não abandonaria o poder. “Nunca farei algo sob pressão”, declarou. “Até que me matem, não haverá eleições”, disse ele, desafiador.

No entanto, ele esclareceu posteriormente que estava pronto para organizar novas eleições, mas após a adoção de uma nova Constituição, sem dar mais detalhes.

– OSCE propõe mediação –

Após prender muitos de seus rivais, impedir o acesso aos centros de votação aos observadores independentes e reprimir brutalmente as manifestações, Lukashenko recusa a ideia de deixar o poder que controla há 26 anos com mão-de-ferro.

Mas as greves nas fábricas estatais são um sinal de que a base eleitoral habitual do presidente de 65 anos claudica.

Na segunda-feira, Tijanovskaya assegurou em um vídeo que está preparada para se tornar “a líder nacional” e governar o país, e lembrou a intenção de organizar uma nova eleição presidencial se chegar ao poder.

Olga Kovalkova, ligada à opositora, publicou no Facebook uma lista de personalidades que integrariam um “conselho de coordenação” para a transição do poder, entre elas a prêmio Nobel de Literatura Svetlana Aleksievich.

Tijanovskaya também exortou as autoridades a libertarem os manifestantes detidos na semana passada, a retirar a tropa de choque das ruas e investigar quem ordenou a repressão.

Após a eleição, as manifestações resultaram em pelo menos dois mortos, dezenas de feridos e mais de 6.700 detidos em uma repressão brutal. Segundo o Ministério do Interior, 122 pessoas continuavam detidas nesta segunda.

A pressão também aumenta no exterior.

O Reino Unido se somou aos países que pensam “sancionar os responsáveis” pela repressão, enquanto o presidente americano, Donald Trump, disse que acompanha a situação “muito de perto”.

O Canadá “se soma a seus sócios da comunidade internacional para condenar a repressão às manifestações pacíficas”, declarou o ministro canadense de Relações Exteriores, Fraçois-Philippe Champagne, que exigiu “eleições livres e justas”.

A Lituânia advertiu que Belarus iniciou exercícios militares em sua fronteira e a Estônia exigiu a realização o quanto antes de uma reunião do Conselho de Segurança da ONU.

A presidência da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE) propôs nesta segunda ao governo bielorrusso sua mediação para instaurar um “diálogo aberto e construtivo”, segundo um comunicado publicado em sua página na internet.

“Reiteramos a preocupação sobre o desenvolvimento da eleição presidencial de 9 de agosto de 2020, que não foi observada pela OSCE, assim como o uso desproporcional da força contra manifestantes pacíficos, as detenções generalizadas e as alegações de torturas pelas forças de ordem”, acrescenta a OSCE.

Na quarta-feira será celebrada uma cúpula extraordinária da União Europeia em Bruxelas para analisar a situação em Belarus. A Alemanha, que ocupa a presidência temporária do bloco, ameaçou estender as sanções já decididas na semana passada devido à violência.

Minsk, ao contrário, recebeu o apoio da Rússia, aliada histórica apesar das tensões recorrentes e cuja atitude será crucial para a solução da crise.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.