Militares assumem controle de guarnição perto da capital do Mali

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Militares do Mali tomaram o controle de uma guarnição perto de Bamako, causando preocupação nos Estados Unidos e nos vizinhos do Mali sobre uma possível derrubada do presidente Ibrahim Bubacar Keita, que enfrenta há dois meses protestos sem precedentes desde o golpe de 2012.

O governo do Mali pediu aos militares para “silenciar as armas”, dizendo que está pronto para um “diálogo fraterno para dissipar todos os mal-entendidos”, segundo um comunicado de imprensa do primeiro-ministro Boubou Cissé.

“Os movimentos observados refletem uma certa frustração que pode ter causas legítimas”, declarou o chefe do Governo neste comunicado, a primeira reação das autoridades do Mali à agitação que abala a capital desde o início da manhã.

A Comunidade dos Estados da África Ocidental (Cedeao), mediadora no Mali, disse em comunicado que acompanha “com grande preocupação a situação – com um motim que surgiu num contexto sócio-político já muito complexo”.

A organização regional conclamou “os militares a regressarem aos quartéis” e ressaltou “a firme oposição a qualquer mudança política inconstitucional”, convidando os “militares a continuarem mantendo uma postura republicana”.

A Cedeao “condena veementemente a tentativa em curso e tomará todas as medidas e ações necessárias para a restauração da ordem constitucional”, indicou em comunicado.

Os Estados Unidos, por sua vez, ressaltaram por meio de seu emissário para o Sahel, Peter Pham, que “se opõe” a qualquer mudança de governo fora da estrutura legal, “tanto por parte dos que estão nas ruas como das forças de defesa e segurança”.

A França também “condenou veementemente o motim” e reafirmou “o seu apego total à soberania e democracia do Mali”, de acordo com um comunicado do ministro das Relações Exteriores.

Paris “compartilha plenamente a posição expressa pela Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (…), que apela à manutenção da ordem constitucional e exorta os militares a regressarem aos seus quartéis sem demora”, declarou Jean-Yves Le Drian.

A situação continua confusa na capital do país e seus arredores.

“Soldados furiosos pegaram em armas no acampamento de Kati e atiraram para o ar. Eram muitos e eles estavam muito nervosos”, disse à AFP um médico do hospital da cidade.

As razões de tal ação ainda não estão claras. Um dos soldados que assumiu o controle do local disse à AFP que em suas mãos estão “vários soldados de alta patente, detidos pelos rebeldes”.

Vários chancelarias ocidentais evocaram a prisão de personalidades políticas, incluindo ministros, mas essa informação não pôde ser confirmada por uma fonte oficial.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.