Centenas manifestam-se diante de prisão em Minsk

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Cerca de 200 apoiantes da oposição na Bielorrússia reuniram-se hoje diante da prisão onde está detido o marido da líder oposicionista Svetlana Tikhanovskaya, neste que é o décimo dia de protestos contra os resultados das presidenciais de 09 de agosto.

Quase 200 pessoas reuniram-se na manhã de hoje em frente ao centro de detenção nº 1 em Minsk, para felicitar o opositor pelo seu aniversário de 42 anos e exigir a sua libertação.

Segurando flores e balões vermelho e branco (cores da oposição), os manifestantes cantaram “feliz aniversário” e aplaudiram, segundo jornalistas da agência de notícias AFP no local.

Sergei Tikhanovsky está detido desde 29 de maio.

Tikhanovsky, que é uma proeminente personalidade na rede social Youtube, candidatou-se às eleições presidenciais e fez campanha contra o atual chefe de Estado, Alexander Lukashenko, antes de ser detido e depois substituído pela sua mulher.

O marido de Svetlana Tikhanovskaya é acusado de “perturbar a ordem pública” e pode ser condenado a vários anos de prisão.

Svetlana Tikhanovskaya exilou-se na Lituânia e, na segunda-feira, anunciou que está preparada para dirigir a Bielorrússia e realizar novas eleições.

A oposicionista disse na segunda-feira que estava pronta para “assumir as suas responsabilidades”. Para o efeito, foi formado um “conselho coordenador” para a transição de poder pela oposição, cuja primeira reunião terá lugar hoje, segundo a opositora Maria Kolesnikova.

Desde a eleição de 09 de agosto, a pressão aumentou sobre o Presidente reeleito Alexander Lukashenko, no poder desde 1994 na Bielorrússia.

A sua principal rival na corrida presidencial, Svetlana Tikhanovskaya, a quem foram atribuídos 10% dos votos, denunciou a eleição como fraudulenta e exigiu a recontagem dos votos.

Declarado vencedor com 80% dos votos, Lukashenko enfrenta protestos diários e um movimento de greve que afeta cada vez mais setores vitais para a economia do país.

Lukashenko rejeitou repetidamente a ideia de uma saída, garantindo novamente na segunda-feira que nunca entregaria o poder “sob pressão”.

Milhares de pessoas têm-se manifestado por todo o país, apesar da repressão violenta pela polícia, que nos primeiros quatro dias de protestos deteve quase 7.000 pessoas e feriu centenas com balas de borracha, granadas de atordoamento e bastões.

Pelo menos dois manifestantes morreram.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.