EUA apreendem petroleiros iranianos com destino à Venezuela

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O governo de Donald Trump confiscou a carga de quatro navios iranianos com combustível que tentavam chegar à Venezuela, confirmou o Departamento de Justiça nesta sexta-feira (14), como parte da campanha de Washington de pressão contra o governo de Nicolás Maduro.

A operação resultou na apreensão de 1,1 milhão de barris de petróleo que, de acordo com as autoridades americanas, representa a maior apreensão de combustível iraniano.

“O governo anunciou hoje que executou com sucesso a ordem de apreensão e confiscou a carga dos quatro navios somando aproximadamente 1,1 milhão de barris de petróleo”, disse o Departamento de Justiça em comunicado.

Estados Unidos recorreu à justiça em 2 de julho para confiscar a carga, como parte da estratégia de Donald Trump contra o governo de Nicolás Maduro na Venezuela, o qual Washington não reconhece.

Os navios afetados foram identificados como Bella, Bering, Pandi e Luna.

O Departamento de Justiça não deu detalhes sobre o local da operação e a data.

O principal diplomata dos EUA para a América Latina, Michael Kozak, disse que este é um “passo importante”.

Segundo a acusação, o empresário iraniano Mahmud Madanipur, que supostamente tem vínculos com a Guarda Revolucionária, providenciou envios para a Venezuela utilizando empresas de fachada offshore e transferências de navio a navio para evitar sanções contra Teerão.

O governo de Trump também mantém relações tensas com o Irão depois de ter se retirado do acordo multinacional para congelar o programa nuclear de Teerão, em 2018.

O jornal The Wall Street Journal informou nesta quinta-feira, citando autoridades americanas, que os navios tinham sido confiscados e que estavam a caminho de Houston, no Texas.

Na quinta-feira, o embaixador do Irão na Venezuela afirmou que os anúncios de que os navios iranianos tinham sido capturados eram “outra mentira e guerra psicológica” dos Estados Unidos.

“Os navios não são iranianos e nem o proprietário nem sua bandeira tem nada a ver com o Irão”, tuitou Hojat Soltani.

De acordo com o Departamento de Justiça, após a operação, um navio iraniano abordou à força um navio não relacionado em uma aparente tentativa de recuperar o óleo apreendido.

– Apoio à transição na Venezuela –

A Venezuela é altamente dependente de sua renda de petróleo, mas sua produção caiu para cerca de um quarto de sua capacidade de 2008 e sua economia foi devastada por seis anos de recessão.

Segundo dados da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP), a produção da Venezuela em julho ficou abaixo dos 400.000 barris diários, um nível equivalente ao de 1934.

Em meio ao colapso da indústria e das sanções dos Estados Unidos, a Venezuela, que costumava refinar petróleo suficiente para suas próprias necessidades, precisou recorrer a aliados como o Irão para aliviar uma desesperada escassez de combustível.

O Irão enviou vários navios petroleiros neste ano para a Venezuela com o objetivo de ajudar a resolver essa escassez.

A maior parte das sanções dos EUA contra a Venezuela entraram em vigor após o início do segundo mandato de Maduro em 2019, que os Estados Unidos não reconhecem devido às irregularidades nas eleições.

Nesta sexta-feira, um grupo de 28 países, entre eles Estados Unidos, vários membros do Grupo de Lima, do Grupo de Contato Internacional, União Europeia e outros como Israel e Coreia do Sul, emitiram uma declaração conjunta pedindo apoio à transição democrática na Venezuela.

O texto reitera a disposição dos países para discutir o levantamento das sanções econômicas, as quais visam pressionar por uma mudança no país venezuelano.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.