Cidadãos questionam manutenção da cerca no Cazengo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Alguns munícipes do Cazengo, sede da província do Cuanza Norte, manifestam-se discordantes com a medida do Governo de manutenção da cerca sanitária imposta à circunscrição para mais 30 dias, isto até ao dia 8 de Setembro do ano em curso, apesar da região encontrar-se há mais de um mês, sem registo de casos novos de Covid-19.

Numa ronda efectuada pela Angop hoje, segunda-feira, cidadãos interpelados manifestaram preocupação perante os constrangimentos, do ponto de vista da livre circulação, trocas comerciais e aquisição de bens essenciais, provocados pela manutenção da cerca sanitária por mais 30 dias para o município de Cazengo.

O comerciante de materiais de construção, Abdene Hedal, disse que estava expectante com o fim da cerca sanitária imposta ao município e que a sua manutenção está a provocar enormes prejuízos nos negócios, uma vez que não consegue viajar para outros pontos do país para aquisição de novas mercadorias e vê o seu comércio restringido aos clientes da cidade de Ndalatando.

Já o cidadão Matondo Luís sente-se preocupado com a medida do Governo em manter a cerca sanitária, dado que a região está há mais de 30 dias sem o registo de novos casos de Covid-19, realidade que vai prejudicar a situação das famílias e dos comerciantes, sobretudo no que concerne ao abastecimento do mercado local com produtos do campo, oriundos dos municípios do interior da província.

Para o mecânico Lourenço Sebastião, a manutenção da cerca sanitária no município de Cazengo está a criar enormes transtornos na sua actividade devido à  escassez de acessórios para reparação de viaturas no mercado local.

Por sua vez, a directora do Gabinete Provincial de Saúde, Maria Filomena Wilson, esclareceu que as  autoridades sanitárias locais têm controlada a situação da Covid-19 na província, que não regista casos da doença há mais de 30 dias e anunciou terem sido recuperados os 17 casos positivos diagnosticados no município, que se encontra sob cerca sanitária desde o dia nove de Julho de 2020.

A responsável referiu que a medida de manutenção da cerca sanitária para o município sede do Cuanza Norte resultou de uma decisão de nível central.

Indicou a realização de 1.700 testes rápidos da Covid-19, durante o mês de Julho último, dos quais 104 expressaram a probabilidade dos implicados terem entrado em contacto com o vírus da Covid-19 (casos reactivos ao teste rápido), 67 mostraram que já ganharam imunidade (IGG), 26 manifestaram que ainda têm o vírus no organismo (IGM) e 11 indicaram estarem na fase de transição entre a infecção activa e a imunidade (IGG+IGM).

Após 30 dias de confinamento, a província de Luanda e o município do Cazengo (sede do Cuanza Norte) viram prorrogadas as cercas sanitárias a que estavam submetidas para mais 30 dias, de 10 de Agosto a oito (8) de Setembro do ano em curso.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.