Emirados inaugura a primeira usina nuclear árabe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Os Emirados Árabes Unidos entraram, neste sábado (1), no grupo dos países que utilizam a energia nuclear civil, com o lançamento de uma usina em Barakah, a primeira do mundo árabe.

“Anunciamos hoje que os Emirados Árabes Unidos realizaram, com sucesso, o lançamento do primeiro reator da central nuclear de Barakah, a primeira do mundo árabe”, tuitou o xeque Mohamed ben Rashed al Maktum, primeiro-ministro dos Emirados e governante de Dubai.

“É um momento histórico para os Emirados, em sua meta de fornecer uma nova forma de energia limpa à nação”, disse Hamad Alkaabi, representante do país na Agência Internacional de Energia Atômica (OIEA) e elogiou o “sucesso” da inauguração da instalação.

As autoridades dos Emirados anunciaram em 17 de fevereiro a autorização para instalar a usina após vários testes e explicaram que a gestão está a cargo da Nawah Energy Compagny.

Esta empresa, fundada em 2016, vai operar e manter os quatro reatores da usina.

“É uma nova etapa em nosso caminho ao desenvolvimento da energia nuclear pacífica”, disse então Mohamed ben Zayed Al Nahyan, o príncipe herdeiro de Abu Dhabi.

A instalação foi construída por um consórcio liderado pela Emirates Nuclear Energy Corporation (ENEC) e pela sul-coreana Korea Electric Power Corporation (KEPCO), com um custo estimado em US$ 24,4 mil milhões.

– 25% das necessidades do país –

Quando estiverem totalmente em funcionamento, os quatro reatores terão capacidade de produzir 5.600 megawatts de eletricidade, ou seja, cerca de 25% das necessidades dos Emirados Árabes Unidos, um país rico em petróleo.

O Estado federal, composto por sete emirados, conta com uma população de 9,3 milhões de habitantes, dos quais 80% são estrangeiros.

As necessidades de eletricidade estão aumentando devido ao uso do ar condicionado durante os verões de altas temperaturas.

ENEC, uma empresa pública, anunciou em dezembro que o carregamento de combustível nuclear no reator aconteceria no primeiro trimestre de 2020.

As autoridades dos Emirados insistiram no caráter “pacífico” de seu programa nuclear e garantem que não inclui nenhuma parte militar, em um contexto de tensões na região.

O país já recebeu mais de 40 missões internacionais e inspeções da OIEA e da Associação Mundial de Operadores Nucleares (Wano) desde 2010.

No entanto, seu vizinho Catar considera a usina de Barakah “uma ameaça para a paz regional”.

Como vários de seus aliados, incluindo a Arábia Saudita, Abu Dabi cortou relações oficiais com o Catar desde junho de 2017.

Abu Dabi também tem relações tensas com o Irão, sancionado pela comunidade internacional por causa de seu polêmico programa nuclear até a assinatura de um acordo com as grandes potências mundiais em 2015 em Viena, do qual os Estados Unidos se retirou.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.