China condena medidas retaliatórias da União Europeia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A China condenou hoje as medidas adotadas pela União Europeia (UE) em resposta à nova lei de segurança nacional imposta por Pequim ao território semi-autónomo de Hong Kong.

Na terça-feira, a UE decidiu limitar as exportações de equipamentos utilizáveis para a vigilância e aplicação da lei em Hong Kong, como medida punitiva contra as intenções de Pequim.

Os 27 países também concordaram em apoiar a população da ex-colónia britânica, facilitando a sua viagem para a Europa, através da concessão de vistos, bolsas de estudo e intercâmbios académicos.

Em resposta, Pequim rejeitou hoje que a UE procure “interferir” nos seus assuntos internos.

“As medidas da UE violam os padrões básicos do direito internacional”, disse Wang Wenbin, porta-voz da diplomacia chinesa, acrescentando que o seu Governo irá apresentar protestos formais contra a comunidade europeia.

A ação da UE foi tomada após a imposição, em 30 de junho, de uma lei de segurança nacional em Hong Kong, que tem sido alvo de duras contestações internas e críticas da comunidade internacional.

A lei sanciona ações de “subversão, secessão, terrorismo e conluio com forças estrangeiras”, permitindo uma maior ingerência das autoridades judiciais chinesas naquele território semi-autónomo.

“A UE está particularmente preocupada com a forte erosão de direitos e liberdades que deveria ser protegidos, pelo menos até 2047”, pode ler-se no texto adotado pelos 27 países europeus, referindo-se à data em que expira o modelo de gestão de Hong Kong, de “um país, dois sistemas”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.