Agente da polícia acusado de torturar cidadão na Huíla

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Um agente da Polícia Nacional (PN), no município de Quipungo, na Huíla, está a ser acusado de ter torturado um cidadão proveniente de Luanda, por alegada violação da cerca sanitária, que aquela província vive por conta da Covid-19.

O caso, que teria acontecido no fim-de-semana, na localidade de Tchindubili, município de Quipungo, já é do domínio das autoridades locais.

António Manuel, que se instalou em Tchindubili, denunciou que quando estava a ser espancado o agente chegou a fazer um disparo que não o atingiu.  

A suposta vítima admitiu que a sua residência está fixada em Luanda, mas  que a Situação de Calamidade Pública o encontrou na província do Huambo.

Explicou que por razões pessoais deslocou-se ao município do Quipungo.

Por sua vez, a administradora municipal da circunscrição, Amélia Diogo Casimiro, afirmou ter conhecimento da situação, mas  disse ser importante que os cidadãos cumpram escrupulosamente com aquilo que a lei prevê sobre a prevenção e combate à Covid-19.

“Nós temos de facto muitos jovens em Luanda e alguns tiveram até uma oportunidade de sair, no momento que se anunciou a abertura, e outros não conseguiram. Agora estão a sair sob todos os riscos, colocando em perigo a sua própria vida, de seus familiares e não só”, aludiu.

Uma fonte do comando municipal da polícia de Quipungo fez saber à Angop que está aberto um inquérito para se aferir o grau de envolvimento de seu agente no caso.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.