Rio de Janeiro cancela tradicional festa de Réveillon

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A tradicional festa de fim de ano na cidade do Rio de Janeiro, com milhões de pessoas reunidas na praia de Copacabana para presenciar o show de fogos de artifício, foi cancelada, devido à pandemia de coronavírus – informou a prefeitura do Rio.

“Esse modelo tradicional [de Réveillon] que conhecemos e que praticamos na cidade há anos, assim como o carnaval, não é viável neste cenário de pandemia, sem a existência de uma vacina”, explicou a agência de turismo da cidade, Riotur, acrescentando que também avalia o cancelamento do Carnaval.

“Nos próximos dias, a Riotur apresentará ao prefeito Marcelo Crivella diferentes formatos possíveis para o evento da virada, sem presença direta de público, em um modelo virtual, onde poderemos atingir o público pela TV e pelas plataformas digitais”, diz a nota.

“Não há grandes motivos para celebrar, com mais de 80 mil mortos por coronavírus no Brasil”, disse à AFP um funcionário da Riotur. A ideia é dar à virada “uma perspectiva de esperança”, acrescentou.

O presidente da poderosa Associação de Hotéis do Rio, Alfredo Lopes, criticou a medida por considerá-la “unilateral” e por seu impacto no setor e no turismo.

“O cancelamento é um absurdo total, em decisão tomada unilateralmente, sem conversar com a iniciativa privada do setor hoteleiro, que tem mais de R$ 20 bilhões de investimentos e sustenta cerca de 100 mil empregos na cidade”, disse Lopes ao portal de notícias G1.

Lopes disse que negociava com a Riotur a possibilidade de fazer um espetáculo de fogos de artifício em outros pontos emblemáticos como o Cristo Redentor, o Pão de Açúcar ou em algumas das vinte praias da cidade, a fim de evitar a aglomeração de Copacabana.

Mais compreensivos, moradores do Rio consideraram a medida “prudente”, apesar das consequências econômicas.

“Acho que na conjuntura atual foi a decisão certa”, disse à AFP Helena Marisa Rollau, funcionária pública de 49 anos que passeava neste sábado na praia.

“Para nós, que trabalhamos na praia de Copacabana, era bom, porque vinha muita gente, mas sem vacina é ruim”, opinou o vendedor de sorvete Antônio Pires, de 52 anos.

Em relação ao Carnaval, a Riotur aguarda, a próxima assembleia da Liga Independente das Escolas de Samba (LIESA), que definirá o rumo dos desfiles e comunicará à prefeitura do Rio.

Várias dessas escolas já se pronunciaram este mês sobre o adiamento desses luxuosos desfiles.

Neste cenário inconclusivo, ainda não é possível falar em definição do Carnaval Rio 2021, já que o planejamento deste evento é naturalmente complexo e, no cenário atual, requer cuidados especiais.

Se for concretizada, a suspensão das celebrações privará a cidade de duas das suas principais fontes de recursos financeiros.

O Rio de Janeiro é o segundo estado com mais mortes por coronavírus do Brasil, depois de São Paulo, e com uma incidência de óbitos maior que a média nacional.

Das 85.238 mortes registradas até sexta-feira no país, 12.654 ocorreram no Rio de Janeiro e quase 8 mil somente na região metropolitana da capital do estado, segundo dados oficiais.

A metrópole vizinha, São Paulo, teve o adiamento do carnaval de 2021 da cidade confirmado pelo prefeito Bruno Covas, devido a pandemia do coronavírus.

Foram confirmados também o cancelamento das festas de fim de ano, da parada LGBTQ+, considerada a maior do mundo, e o adiamento de julho para novembro da tradicional Marcha para Jesus.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.