Passageiros elogiam Consulado em Lisboa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Os passageiros do primeiro voo humanitário de repatriamento de angolanos em Portugal manifestaram, sexta-feira, em Luanda, o seu agrado pela forma como o consulado de Angola em Lisboa conduz o processo de alistamento dos cidadãos para o repatriamento.

Conforme os viajantes, os serviços consolares de Angola, em particular em Lisboa, junto das autoridades e outras instituições no país, estão a prestar apoio incondicional aos cidadãos retidos desde Março último, demostrando lisura no alistamento das pessoas prioritárias.

Afirmam que o processo obedece à orientação do instrutivo do Governo Angolano sobre o repatriamento dos cidadãos nacionais.

Segundo o passageiro Carlos Fonseca, o processo, de modo geral, decorre com normalidade, a partir do agendamento feito via email. Posteriormente, o cidadão recebe os instrutivos de procedimentos, quer no avião, quer em terra, até aos hotéis ou centros de quarentena institucional.

“O consulado, grosso modo, está a realizar um bom trabalho, além dos serviços administrativos consulares, dando a real prioridade aos doentes de junta médica, grupos familiares e acção especial aos menores. Houve muita colaboração do consulado para nós regressarmos”, diz.

Apesar do trabalho consular, pois regressou com esposa e filhos, diz ser preciso aprimorar alguns aspectos, como a publicação, atempada, dos passageiros de cada voo, à entrada do consulado, porque os cidadãos precisam de efectuar o teste da Covid-19 em véspera.

O viajante explicou que os passageiros que escolheram ficar em quarentena em hotéis, e que estes se encarregarão de custear as refeições, cabendo ao governo o alojamento.

Para Felisberto António, os quase cinco meses em Portugal foram difíceis, sobretudo no aspecto afectivo, pelo que agradece, de modo geral, o consulado, que prestou um apoio incondicional de vária ordem.

Já as adolescentes Leny e Jessíca agradeceram ao Governo de Angola por trazer-lhes de volta ao país.

Esse é o primeiro grupo de dois mil angolanos retidos em Portugal, aflitos para regressar, destacando-se 800 em Lisboa e 300 na cidade do Porto.

Desde que foi decretado o Estado de Emergência, a 25 de Março último, a TAAG transportou três mil e 750 cidadãos angolanos que estavam retidos no estrangeiro.

A TAAG já transportou, só neste mês de Julho, 760 cidadãos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.