Polícia sul-africana usa canhões de água para dispersar manifestantes junto do parlamento

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Agentes da polícia sul-africana recorreram a canhões de água para dispersar os manifestantes que protestavam hoje junto ao parlamento do país, na Cidade do Cabo, devido à situação do setor hoteleiro, afetada pela pandemia da covid-19.

Segundo os empresários do setor, as receitas diminuíram devido às medidas aplicadas para conter a pandemia, pretendendo estes o alívio de algumas restrições.

O protesto decorreu na Cidade do Cabo, um dos principais destinos turísticos da região.

Para dispersarem as manifestações, os agentes da polícia recorreram a canhões de água, uma decisão recebida com gritos e assobios pelos participantes no protesto.

A África do Sul chegou a ter algumas das medidas de confinamento mais restritas no continente, mas o executivo, liderado pelo Presidente, Cyril Ramaphosa, tem vido a aliviá-las, devido à pressão económica.

O consumo dentro de restaurantes foi uma das medidas entretanto permitidas pelo Governo, mas os trabalhadores da restauração protestaram esta semana, por todo o país, devido ao impacto das medidas nos negócios e nos postos de trabalho.

A venda de álcool, proibida novamente este mês, foi também reivindicada.

A África do Sul é o quinto país com mais casos de covid-19 no mundo, ultrapassando as 408 mil infeções e seis mil mortes desde o início da pandemia.

No final de março, as autoridades sul-africanas impuseram rigorosas medidas de contenção, tendo estas sido aliviadas de forma gradual para evitar o colapso da economia daquela que é a principal potência industrial do continente.

Antes da pandemia, a economia sul¬-africana apresentava-se com algumas dificuldades, com um baixo crescimento, uma deterioração das finanças públicas e uma taxa de desemprego próxima dos 30%, que deve aumentar nos próximos meses.

O banco central da África do Sul estima que o produto interno bruto (PIB) daquela que é a principal potência industrial africana contraia 7,3% este ano, devido à pandemia.

Em África, há 16.697 mortos confirmados em mais de 787 mil infetados em 54 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia no continente.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 627 mil mortos e infetou mais de 15,2 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.