Mais de 10.000 profissionais de saúde em África estão infetados – OMS

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Mais de 10.000 profissionais de saúde na região africana estão infetados com a covid-19, revelou hoje a diretora regional da Organização Mundial de Saúde (OMS) para África.

Matshidiso Moeti falava no encontro online com especialistas em saúde sobre a pandemia de covid-19, hoje dedicado à forma como os profissionais de saúde estão a ser atingidos pela doença.

Até ao momento, e apesar de a OMS reconhecer dificuldades no registo de profissionais de saúde afetados, estão notificados mais de 10.000 trabalhadores de saúde que foram infetados com o novo coronavírus.

Sobre estes profissionais, Moeti disse que é preciso saber, cada vez com mais rigor, como estão a ser tratados os que tratam dos outros.

“Os trabalhadores da saúde receiam levar o vírus para casa, sofrem pressões psicossociais por trabalharem 24 horas por dia e, em algumas comunidades, enfrentam o estigma e a discriminação”, disse.

De acordo com esta responsável da OMS para a região africana, neste continente um dos maiores desafios na proteção dos trabalhadores da saúde tem sido a escassez global de equipamento de proteção individual (EPI).

Isso mesmo corroborou Jemima Dennis-Antwi, uma especialista internacional em saúde materna e obstetrícia, oriunda do Gana, para quem “é altura das autoridades se aperceberem que qualquer paciente é um potencial infetado com covid-19”.

Para esta médica, os fatos de proteção individual são um verdadeiro desafio para os profissionais de saúde, não só pelas dificuldades que o seu uso acarreta, como também ao nível do acesso a este material.

No Gana, que contabiliza 28.989 infetados e 153 mortos, os profissionais de saúde com a covid-19 ascendem aos 2.000, disse.

“Os profissionais têm de proteger os doentes, a eles próprios, e aos seus familiares”, prosseguiu, alertando para os riscos que o confinamento aumentou ao nível da violência doméstica e também no controlo das doenças crónicas.

Individualmente, defendeu, a aposta tem de continuar a ser na aplicação dos protocolos de prevenção, como lavar as mãos com regularidade.

A ministra da Saúde do Burkina Faso, Leonie Claudine Lougue, que participou igualmente neste encontro online, sublinhou o “papel fundamental dos profissionais de saúde no combate à doença” desde que os primeiros casos foram registados neste país, a 09 março.

“Desde então, a segurança dos profissionais de saúde passou a ser uma prioridade” para o Governo do Burkina Faso, país com 1.065 infetados e 53 mortos devido à covid-19.

Por seu lado, o ministro da Saúde e da População da Serra Leoa, Alpha Wurie, mostrou-se confiante na recuperação dos infetados e explicou a importância das lições que o combate ao vírus do Ébola para a luta contra o novo coronavírus.

Este país sofreu um surto de Ébola entre 2014 e 2016 e registou os primeiros casos de covid-19 relativamente mais tarde que muitos outros países: a 31 de março. Atualmente contabiliza 1.727 casos e 66 mortos.

Segundo Alpha Wurie, os profissionais de saúde naquele país estão a ser alvo de grande cuidado, mas seis já morreram devido à covid-19.

Tal como nos encontros anteriores sobre a pandemia em África, Matshidiso Moeti defendeu uma frente comum contra a doença, apelando à solidariedade para com os países com menos meios.

Segundo afirmou, a OMS está a seguir a oferta de material de prevenção que está a chegar ao continente, como máscaras e fatos, e reiterou o comprometimento para que seja devidamente distribuído e utilizado.

Segundo Matshidiso Moeti, “a diáspora africana tem estado significativamente envolvida em ajudar a divulgar informação, formação e a melhorar as competências. Mobilizaram também apoio para a resposta na região”, disse.

A pandemia da doença provocada pelo novo coronavírus já provocou a morte a mais de 627 mil pessoas e infetou mais de 15,2 milhões em todo o mundo, de acordo com o último balanço feito pela Agência France-Presse (AFP).

Em África, foram infetadas 771.160 pessoas e 16.432 morreram devido à doença.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.