Jogos electrónicos geram 22 milhões de dólares por ano

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Vinte e dois milhões de dólares norte-americanos é o valor de receitas que geram os jogos electrónicos, em Angola, praticado por uma comunidade de mais de 50 mil jogadores registados.

As receitas são  geradas por compras online, acesso à internet, acesso em contas em diversas plataformas  de “quebra-cabeça” criadas por empresas angolanas, que aproximam as tecnologias do ecossistema dos jogos electrónicos.

As transações monetárias são feitas com base em servidores, como a PlayStation, uma das entidades que faz a gestão de jogos electrónicos, que localiza de forma específica a região de cada participante.

Em Angola, com uma população estimada em cerca de 30 milhões de habitantes, a prática de jogos electrónicos ainda  está muito abaixo, se comparado com outros países de África.

O mercado é liderado pelos Estados Unidos da América seguido pela China. 

Dados avançados nesta quinta-feira, pela  multinacional Angola Cables, durante um encontro com jornalistas de diversos órgãos.

Com base em dados da empresa Newzoo, o  “game”,  em África , é liderado  pelo Egipto com receitas anuais estimadas em  293 milhões de dólares, seguido da África do Sul com 216 milhões.

Em todo mundo,  as receitas  cresceram de 91,5 mil milhões de dólares, em 2015, para 152,1 mil milhões de dólares, em 2019. 

As empresas  Angola Cables, a  telefonia móvel Unitel e a NCR (tecnologias) são as que lideram o mercado com o fabrico de  tecnologias que suportam os jogos electrónicos. O mercado conta também com um estúdio, a Bantu Games, que transforma histórias em jogos.

O gestor de produtos da Angola Cables, Crisostomo Mbundu,  admitiu ser ainda insipiente a indústria de jogos  electrónicos no país, uma  situação que pode melhorar caso  haja uma maior  divulgação das plataformas  dos jogos digitais produzidos.

“ Angola não está fora do mercado de jogos electrónicos, mas precisamos  tirar maior beneficio para a comunidade angolana”, referiu.

Sem precisar números, Crisostomo Mdundu disse existirem dezenas de  jogos produzidos em Angola atractivos.

A título de exemplo, apontou o jogo sobre trânsito rodoviário, em que os players aprendem sobre o  código de estrada.

“ Com as infra-estruturas existentes podemos procurar espaço e posição, aproveitando as vantagens  existentes”, augura Crisostomo Mbundu, garantindo que a Angola Cables vai continuar a trabalhar para fomentar os jogos electrónicos em Angola.

A dependência externa dos servidores, é apontado como uma das dificuldades neste processo, a nível de África, em particular Angola.

São benefícios  dos jogos electrónicos, a melhoria da memória, velocidade do celebro e concentração, desenvolvimento de habilidades para futuras carreiras e promoção do trabalho em equipa.

Como desvantagem dos jogos online são apontadas a promoção do sendentarismo, problemas sociais,  vício em jogos, falta de concentração e problemas de postura.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.