SME aperta cerco aos imigrantes ilegais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Serviço de Migração e Estrangeiros (SME) intensificou o cerco aos imigrantes ilegais, com o reforço do patrulhamento no cordão fronteiriço, ação que já frustrou as expectativas de 38.544 cidadãos, só no primeiro trimestre deste ano.

A informação foi avançada pelo director do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa do SME, Comissário de Migração Simão Milagres, em entrevista à ANGOP.

Segundo o oficial comissário, no quadro dessas medidas, levadas a cabo em coordenação com outras forças de Defesa e Segurança, foram também registadas 5.218 recusas de entrada e consequente reembarque de cidadãos que se apresentaram sem documentos nas fronteiras nacionais.

Simão Milagres reconhece que as condições nos postos de fronteiras ainda não satisfazem o sector, quer no capítulo tecnológico, quer infra-estrutural, sendo que alguns deles apresentam construção em adobe e pau-a-pique.

Desacatou, com efeito, os investimentos de grande vulto que estão a ser feitos em equipamentos tecnológicos, para uma melhor gestão das fronteiras nacionais.

Segundo a fonte, o SME elegeu a formação de quadros como principal premissa para melhorar as condições de atendimentos e responder aos desafios tecnológicos que o mundo hoje apresenta.

Indicou que o sector está permanentemente a actualizar os quadros com as novas tecnologias de informação tendo, nesse âmbito, erguido a Escola Nacional de Migração, por sinal a única com essas características na África Austral, de acordo com a informação disponibilizada pela Organização Internacional das Migrações (OIM).

No âmbito do combate à Covid-19, explicou que estão a ser implementadas várias estratégias, consubstanciadas no reforço das fronteiras com efectivos, meios de vigilância operativa e de biossegurança, para o cumprimento das medidas previstas pelo Estado de Emergência e pela Situação de Calamidade Pública.

Em relação ao controlo de estrangeiros, que é feito pelo sistema avançado de concessão de vistos via on-line (SAVIS) notou que, actualmente, regista 249 mil 401 expatriados residentes, com maior relevância para as nacionalidades portuguesa (48 mil 476), chinesa (35 mil 483) e brasileira com 13 mil 270.

Por outro, fez saber que nos próximos dias o Conselho Nacional dos Refugiados (CNR) vai anunciar um conjunto de medidas e iniciar com o processo de cláusula de cessação do estatuto dos refugiados de alguns países em Angola.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.