Paris diz que Pequim aceita a moratória sobre a dívida dos países mais pobres

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A República Popular da China aceitou a proposta de extensão da moratória até 2021 da dívida dos países mais pobres, disse o hoje o ministro da Economia francês Bruno Le Maire.

A moratória tem de ser decidida no âmbito do Clube de Paris e do G20 e “as coisas estão a progredir numa boa direção sendo uma boa notícia a China apoiar essa vontade sobre o adiamento da dívida dos países mais pobres de 2020 para 2021”, disse Le Maire através de uma conferência de imprensa telefónica.

“A China confirmou igualmente o papel construtivo que quer desempenhar no quadro do Clube de Paris”, acrescentou o ministro francês que esteve em contacto com o vice-primeiro ministro chinês, Hu Chunhua.

No sábado, 42 dos 73 países mais pobres do mundo pediram uma moratória da dívida que equivale a 7,3 mil milhões de dólares. 

Recentemente, os ministros da Finanças e os responsáveis pelos bancos centrais dos países do G20, numa reunião em Riad, admitiram a extensão da moratória por causa da “evolução da pandemia”.

Nos últimos anos a República Popular da China tornou-se num dos principais credores dos países mais pobres mas nunca divulgou os valores em causa. 

O Clube de Paris, um organismo formado em 1956, é atualmente constituído por mais de duas dezenas de Estados envolvidos no financiamento dos países mais pobres.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.