Hospitais lotados e casos a subir em Madagáscar apesar de PR dizer que chá cura

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Os principais hospitais da capital do Madagáscar, Antananarivo, estão sobrecarregados com o afluxo de doentes infetados com covid-19, alertaram hoje os diretores destas unidades, num país onde as infeções continuam a aumentar.

De acordo com a reportagem da agência de notícias francesa, France-Presse (AFP), os diretores das principais unidades hospitalares da capital, Antananaviro, alertaram que a disponibilidade para acolher e tratar os doentes infetados está a diminuir, havendo alguns que já só aceitam doentes graves, num país em que o Presidente, Andry Rajoelina, distribuiu e recomendou um chá que alegadamente curaria as infeções.

O chá, amplamente noticiado na comunicação social e cujos efeitos estão por provar, foi também utilizado em alguns países lusófonos, como a Guiné Equatorial, São Tomé e Príncipe e Guiné-Bissau, mas sem que seja conhecido qualquer caso de cura devido a este chá.

“O número de casos está a aumentar, por isso para uma boa gestão dos pacientes, só aceitamos casos graves”, resumiu o diretor do hospital Andohotapenaka, na capital malgaxe, Nasolotsiry Raveloson, à AFP.

Este hospital, especializado no tratamento de doentes com a covid-19, tem “apenas quatro camas” disponíveis, de um total de 50, acrescentou o gestor hospitalar.

Noutro hospital, o Josephe Raseta Befelatanana, o panorama é idêntico: “Ainda estamos sobrelotados, é impossível libertar camas, por enquanto, disse o diretor, Mamy Randria, usando quase as mesmas palavras que o seu colega do Centro Hospitalar Universitário de Anosiala, que também admitiu a “sobrelotação”.

Madagáscar registou oficialmente 7.548 casos de covid-19, incluindo 65 mortes, mas nos últimos dias o país assistiu a um aumento significativo do número de casos.

“Há dois fatores que contribuíram para a propagação desta doença” nesta grande ilha pobre do Oceano Índico, explicou o diretor-geral da Saúde malgaxe, Zely Arivelo Andriamanantany.

“Primeiro, tivemos o CVO [o chá Covid Organics, apresentado como receita para o novo coronavírus], as pessoas levaram o CVO e depois não respeitaram o isolamento social e, em segundo lugar, o CVO protege durante duas a três semanas”, disse o responsável, repetindo a argumentação do Presidente, mas que nenhum estudo oficial confirmou ainda.

O número de mortos em África devido à covid-19 subiu hoje para 15.418, mais 336 nas últimas 24 horas, em cerca de 736 mil infetados, segundo os dados mais recentes sobre a pandemia no continente.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), o número de casos positivos subiu para 736.288, mais 15.666 nas últimas 24 horas, havendo 391.898 382.857 pessoas recuperadas, mais 9.041.

O primeiro caso de covid-19 em África surgiu no Egito em 14 de fevereiro e a Nigéria foi o primeiro país da África subsaariana a registar casos de infeção, em 28 de fevereiro.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 606 mil mortos e infetou mais de 14,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.