Especialistas apontam intercâmbio como “arma” contra Covid-19

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

 A conjugação de forças e o intercâmbio de conhecimentos científicos entre os especialistas da medicina convencional e natural podem ser fundamentais para reduzir o número de infectados e mortes pela Covid-19 no país, advogaram este sábado, em Luanda, profissionais da saúde.

Em declarações à Angop a próposito do aumento do número de casos positivos e mortes pelo novo coronavírus, os médicos apelam a criação urgente de uma comissão multissectorial de especialistas da medicina, visando inverter o quadro epidemiológico do país, que já registou 354 novos infectados e 16 óbitos em 17 dias deste mês.

Com o surgimento da circulação comunitária do vírus em Luanda, urge a necessidade do Ministério da Saúde solicitar os especialistas das diferentes áreas da medicina, com vista a avaliar o real quadro epidemiológido do país e traçar acções concretas para cortar a cadeia de transmissão progressiva da doença.

Segundo o médico Euclides Sacomboio, para o alcance deste objectivo é necessário  a criação de um conselho ou uma comissão de especialistas independentes, que analisam e partilham conhecimentos científicos, propondo medidas recomendáveis para melhorar o sistema de saúde pública no país.

“Aconselho o Ministério da Saúde a convocar profissionais de várias áreas da medicina, avaliando as capacidades e competências intelectuais de cada especialista, para fazerem análises externas da real situação epidemiológica do país e apresentarem as melhores soluções possíveis”, alertou.

O  também bioquímico e docente universitário sugere a criação de uma possível comissão de especialistas para analisar e debater questões ligadas às outras doenças, como a malária, diabete, hipertensão arterial e o HIV/Sida.

A mesma ideia é partilhada pelo nutricionista José Nguepe, que considera o aumento do número de infectados pela Covid-19 no país como uma oportunidade para todos os especialistas da medicina convencional e natural unirem forças e partilharem conhecimentos científicos.

O naturopata alerta as autoridades sanitárias angolanas a “não ignorarem ou menospresarem a medina natural”, por ser um dos ramos da saúde que tem várias opções para curar muitas doenças.

“No país e no mundo a doença da Covid-19 está se alastrando e as pessoas estão a morrer, obrigando a conjugação de esforços entre os especialsitas da medicina para uma solução urgente ao problema de saúde pública”, sublinhou.

Segundo José Nguepe, a criação de uma comissão multissectorial de especialistas, no actual contexto do país, permitiria traçar um plano conjunto e adopção de medidas pragmáticas para salvar a vida das famílias angolanas.

Olhando ainda para a evolução do quadro epidemiológido do país, o especialista em saúde pública, Domingos Cristóvão, prevê uma redução de casos positivos em finais de Agosto, caso se observe todas as medidas de prevenção individual e colectivas, assim como se envolva todos os saberes da classe médica.

Entretanto, a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, assegurou, recentemente, em conferência de imprensa, que a Comissão Multissectorial de Prevenção e Combate à Covid-19 conta com a contribuição de todos, para travar a progressão vírus no país.

Numa altura em que a província de Luanda regista a circulação comunitária do vírus Sars-Cov-2 (Covid-19), a estatística soma um total de 638 infectados, dos quais 199 recuperados, 410 activos e 29 óbitos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.