“Um em cada 25 pessoas em Luanda pode estar infetada com a covid-19” – Sílvia Lutucuta

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, disse que “uma em cada 25 pessoas em Luanda pode estar infetada com o novo coronavírus” e reforçou a necessidade do cumprimento das medidas de distanciamento social, higienização das mãos com frequência e o uso da máscara para travar a propagação da doença.

“Já 4 em cada 100 pessoas estão infetadas, isso significa que se nós estivermos num local com 100 pessoas, em cada 25 pessoas, nós temos uma pessoa potencialmente infetada pelo covid-19. Pela propagação rápida que nós temos desta doença, se nós não lavarmos as mãos com frequência, se não usarmos as máscaras para prevenir que ao falarmos ou ao tossirmos e estivermos muito próximo de outras pessoas vão ser libertados aquelas gotículas aerossóis, que podem ter uma grande quantidade de vírus e por ali, nós contaminarmos muita gente. Portanto, se não precisa sair de casa, fique mesmo em casa”, disse a ministra.

A governante fez estas declarações à imprensa durante um encontro com o embaixador chinês em Angola, Gong Tao, em que foi assinado um acordo para a aquisição e construção de 5 larabo´rórios com capacidade de 6 mil testes dia..

O projecto, orçado em seis milhões de dólares, está a cargo da empresa chinesa BGI, especializada na investigação de biologia molecular e genética que, num espaço de 20 dias, vai construir e montar dois laboratórios na província Luanda, um no Uíge, Lunda Norte e no Huambo.

Cada laboratório terá uma capacidade de testagem de mil amostras dia, não só para a RTPCR  mas também  analisar mil amostras para testes serológicos.

De acordo com a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, destes laboratórios quatro são de raiz e um de campanha, que servirá, além da testagem da Covid-19, para a formação de técnicos.

As províncias do Uíge e da Lunda Norte vão beneficiar de laboratórios devido, segundo a ministra,  ao risco de contaminação da Covid-19 tendo em conta a vulnerabilidade das fronteiras com a República democrática do Kongo (RDC), porta de entrada de muitas doenças, enquanto  o do Huambo servirá, também, ara atender o centro e sul do país.

Informou que a partir de 20 de Agosto os equipamentos estarão disponíveis para virem e serem montados em Angola, assim como os técnicos  para a formação dos recursos  humanos nacionais.

Por seu turno, o embaixador da China em Angola, Gong Tao,  disse que a montagem dos laboratórios de testes de Coronavírus é mais um dos exemplos da cooperação entre os dois países, na área de saúde pública.

Adiantou que entre os técnicos indicados para dar formação está um bolseiro angolano licenciado em saúde pública e que trabalha na empresa BGI, na área de  investigação tecnológica.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.