Escritor britânico acredita ter encontrado casa de James Bond

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O escritor britânico William Boyd afirmou nesta quinta-feira (16) ter descoberto a casa do espião James Bond em Londres, ao examinar minuciosamente a vida de Ian Fleming e suas obras famosas.

Nos anos 1950 e 1960, Ian Fleming escreveu 14 livros sobre James Bond, entre eles duas compilações de romances, mas nunca revelou o lugar exato onde morava, apesar de já ter chegado a dizer que o agente carismático residia no bairro londrino de Chelsea.

Após reler todas as obras da série antes de escrever, em 2013, a continuação em um romance intitulado “Solo”, William Boyd anunciou nesta quinta em um suplemento literário do The Times que o espião britânico morava no 25 Wellington Square, em Chelsea.

“É ali que ficava o apartamento de James Bond”, assegura o escritor, que acrescentou que como James Bond era um personagem de ficção, “está claro que não vivia realmente em parte alguma”, mas que sem dúvida neste endereço pode ser encontrado o apartamento que inspirou seu criador.

Fleming começou analisando os elementos que aparecem em vários romances da série. Em “O Foguete da Morte” (1955), Fleming descreve a residência de James Bond como “um apartamento confortável, que dá para uma praça cheia de árvores, perto da King’s Road”, uma rua conhecida de Chelsea.

Boyd usou depois a descrição feita em “Operação Relâmpago” (1961), no qual o apartamento ficava próximo do Hyde Park, reduzindo o seu perímetro à Wellington Square.

Para determinar o número exato, o autor britânico se interessou pela vida pessoal de Ian Fleming, em particular durante o período em que trabalhou como jornalista no Sunday Times.

Assim, percebeu que um de seus colegas, o crítico literário Desmond MacCarthy, morava no endereço 25 Wellington Square. Ele e sua esposa eram conhecidos por ser as “almas das festas lendárias” que organizavam com frequência em sua casa.

“As provas são convincentes. É muito provável que Ian Fleming tenha ido a uma ou várias festas dadas pelos MacCarthy”, acrescenta Boyd.

Segundo ele, o apartamento do casal tinha de fato uma “grande sala de estar com janelas amplas”, como descreve em “Da Rússia, com amor” (1957), e acrescenta que se a sala do espião estivesse “coberta de livros”, sem dúvida se trata de uma menção à profissão de Desmond MacCarthy.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.