Testagem rápida com seis casos suspeitos em Benguela

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Seis cidadãos, de um total de 247 que se submeteram à testagem rápida, na província de Benguela, expressam a probabilidade de terem entrado em contacto com a Covid-19, soube hoje, quarta-feira, a Angop.

Essa informação foi avançada à imprensa pelo coordenador do grupo técnico da Comissão Provincial de Saúde Pública, Manuel Cabinda, que enfatizou tratar-se apenas de casos suspeitos e que Benguela mantém-se sem qualquer caso confirmado da doença.

O responsável apelou a população à calma, explicando que só o teste de RTPCR (conclusivo) poderá confirmar ou não o diagnóstico.

“Os testes rápidos não confirmam o diagnóstico da Covid-19, mas são utilizados para o diagnóstico preventivo da doença. Ou seja, um teste reactivo pode vir ou não a resultar em doença”, referiu.

Sobre os seis casos reactivos, adiantou que se trata de dois familiares de um comerciante que desenvolve a sua actividade no município do Bocoio, a quem foi diagnosticado a doença na capital do país.

“Esse cidadão tem a família no Bocoio e desenvolve a sua actividade entre as províncias de Luanda e Benguela. No rastreio desse caso, testou-se 20 dos seus parentes, dos quais dois casos resultaram reactivos à IGM”, disse.

Manuel Cabinda disse que, na sequência desses casos e como medida de saúde pública, decidiu-se fechar a cerca sanitária em dois bairros do município do Bocoio, onde essas pessoas residem, até que se tenha o diagnóstico definitivo, que pode confirmar ou descartar a Covid-19.

Outro caso reactivo é do município de Benguela, bairro da Damba Maria. Trata-se de um cidadão proveniente de Luanda que estava em quarentena domiciliar, completamente isolado.

Manuel Cabinda referiu que, em função da testagem das pessoas em quarentena domiciliar, o mesmo foi reactivo à IGM e encontra-se agora em quarentena institucional.

Ainda em Benguela, outro caso envolve um cidadão que violou a cerca sanitária e que já se encontrava na unidade de quarentena institucional.

O quinto e o sexto são casos de cidadãos que foram testados na tarde desta quarta-feira, no mercado informal do 4 de Abril, onde foram feitos 113 testes.

“Estamos a fazer agora um estudo para saber se tiveram alguma viagem, algum vínculo ou outra situação epidemiológica”, disse.

Manuel Cabinda destacou que as seis pessoas já se encontram em quarentena institucional e que estão agora a trabalhar com as famílias.

Para esta quinta-feira, está programado um amplo trabalho no município do Bocoio, onde será feita a testagem em massa das pessoas que vivem ao redor dos dois bairros sob cerca sanitária e, caso surjam outros casos reactivos ou um positivo, evitar que a doença se alastre.

“O que temos estado a fazer é um trabalho de rastreio, profiláctico, para evitar que qualquer situação positiva se alastre por cá”, disse o coordenador.

Por outro lado, Manuel Cabinda informou que, durante este período, a comissão provincial contra a Covid-19 tem estado a criar condições para acudir na eventualidade do surgimento de qualquer caso da doença, para que se possa dar uma resposta rápida.

É assim que as pessoas que têm estado a entrar na província são colocadas em regime de quarentena institucional e domiciliar, sendo todas testadas.

“Nós, durante este período, realizamos 166 testes, através do RTPCR, e foram todos negativos. Há aproximadamente uma semana, recebemos mil testes para o rastreio da Covid-19 e intensificamos as nossas acções”, enfatizou.

Entretanto, o coordenador da Comissão Provincial de Saúde Pública, Rui Falcão Pinto de Andrade, admitiu que, conforme o tempo for passando, a província pode vir a registar alguns casos positivos.

“Foi por isso que andamos a trabalhar ao longo dos meses, para criar condições para fazer frente a uma possível existência de casos positivos”, frisou.

Rui Falcão disse que a Comissão Provincial de Saúde Pública vai continuar a fazer o seu trabalho e fruto da reapreciação das condições criadas, entendeu, no início dessa semana, criar mais uma unidade para tratamento.

“Vamos continuar a testar as pessoas na medida da disponibilidade de testes que tivermos. Não temos o volume de testes suficientes para fazer em função das áreas de especialidade, pelo que vamos continuar a trabalhar com amostras aleatórias”, concluiu.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.