Credores privados dizem que nenhum país pediu alívio da dívida

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O porta-voz do Instituto Financeiro Internacional (IFI) disse hoje à Lusa que nenhum país elegível para a Iniciativa de Suspensão do Serviço da Dívida (DSSI) pediu ainda qualquer alívio da dívida aos credores privados.

“Os resultados do inquérito que fizemos aos 200 membros de mais de 100 empresas financeiras que gerem mais de 45 biliões de dólares (39,5 biliões de euros) em dívida mostram que até agora nenhum pedido formal de suspensão de dívida foi feito por parte de países que são elegíveis para participar na DSSI do G20”, disse Dylan Riddle à Lusa.

O IFI divulgou hoje uma atualização, nas vésperas da reunião dos ministros das Finanças e governadores dos bancos centrais do G20, sobre a questão dos pagamentos da dívida pública dos países em dificuldades financeiras, no qual reafirma que “o setor privado está pronto para trabalhar com os países que precisem de assistência, tendo preparado ferramentas para resolvar as circunstâncias únicas da situação de cada país”.

No documento, os credores privados defendem a necessidade de manter o acesso ao mercado “a um custo aceitável” e notam que os países “acreditam que as suas necessidades de financiamento do desenvolvimento não podem ser cumpridas, a longo prazo, com recurso aos credores oficiais e aos doadores”.

Na atualização, os credores dizem que continuam financiar os projetos em curso que são apoiados por instituições financeiras multilaterais e apontam o Equador como exemplo de um país que, apesar de não ser elegível para DSSI, é um bom exemplo de um país que conseguiu reestruturar a dívida através de soluções negociadas em boa fé com os agentes de mercado.

O número de mortos em África devido à covid-19 subiu na quarta-feira para 13.797, mais 341 nas últimas 24 horas, em quase 626 mil casos, segundo os dados mais recentes sobre a pandemia no continente.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), o número de infetados subiu para 625.702, mais 14.895 nas últimas 24 horas, enquanto o número de recuperados era de 316.735, mais 10.874.

O primeiro caso de covid-19 em África surgiu no Egito em 14 de fevereiro e a Nigéria foi o primeiro país da África subsaariana a registar casos de infeção, em 28 de fevereiro.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.