Governo brasileiro disponibilizou material político e racial para ensino do português

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Governo brasileiro disponibilizou nas suas plataformas ‘online’ material didático para estrangeiros aprenderem português com alegados juízos de valor de cariz político, racial e social, tendo o conteúdo sido retirado do ‘ar’ após uma reportagem.

Segundo o jornal O Globo, o escândalo de corrupção a envolver o ex-Presidente brasileiro Lula da Silva (Partido dos Trabalhadores), o aborto ou o preconceito estético fazem do material oferecido pelo executivo.

Num dos exercícios, para ensinar a conjugação do verbo “ficar”, o texto pede que o leitor complete a frase: “Se ela alisasse o cabelo, ela [—] mais bonita”.

No Brasil, a justiça já chegou a considerar “racismo” empresas que pediram a funcionárias negras que alisassem o seu cabelo de forma a “cuidarem da sua aparência” e manterem um aspeto “arrumado”. Situações semelhantes são relatas com frequência por mulheres negras no país.

“Se eu soubesse que o Lula seria tão corrupto e se envolveria com o mensalão [como ficou conhecido um dos escândalos de corrupção a envolver o ex-Presidente], eu não teria votado nele”, é outras das frases usadas no material didático.

Para ensinar a conjugação no futuro, um dos exemplos pedia para completar os exercícios com os verbos “apropriar” e “conseguir”: “Se o MST [Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, um dos mais importantes movimentos sociais do Brasil] se [—] de nossas terras, nunca mais [—] reavê-las”.

Outro exemplo encontrado para a conjugação do verbo haver é: “Se as mulheres não abortassem, não [—] tantas clínicas de aborto clandestinas”.

Segundo o Globo, a série de livros “Só Verbos” estava disponível na página da Rede Brasil Cultural, da divisão de promoção da língua portuguesa do Ministério das Relações Exteriores do país sul-americano.

Confrontado pelo jornal, o ministério reconheceu que o material “não se coaduna com as diretrizes estabelecidas pelos guias curriculares” e, por isso, foi “prontamente retirado da página eletrónica da Rede Brasil Cultural”.

Contudo, a decisão de retirar do ‘site’ o conteúdo só ocorreu depois de o jornal brasileiro pedir explicações sobre o ocorrido.

Segundo o atual executivo, o material estava no ar desde 2013, ano em que Lula da Silva ainda ocupava a Presidência brasileira (2003-2011), acrescentando que o conteúdo foi incluído no sistema por “terceiros”.

A Rede Brasil Cultural promove a língua portuguesa e a cultura brasileira no exterior e está presente em 44 países, em cinco continentes.

Os polémicos exercícios estavam assinados pela autora Airamaia Chapina, que disse à Globo que não foi contratada para elaborar o material, nem contactada para que fosse divulgado nas páginas da Internet do Governo.

A autora negou ainda qualquer vínculo político ou racial com o material que redigiu.

Sobre a frase que relacionou cabelo liso com sinónimo de beleza, ela disse que “deve ter dado” esse exemplo porque o seu próprio cabelo é ondulado, e se considera “mais bonita com ele liso”.

Sobre Lula da Silva, a professora indicou que “foi um exemplo qualquer”. “Provavelmente deveria ser algo que estava em voga”, defendeu.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.