Reino Unido registou 11 mortes nas últimas 24 horas, metade da véspera

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Reino Unido registou 11 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, menos do que as 21 da véspera, tendo o total contabilizado durante a pandemia subido para 44.830 óbitos, informou hoje o ministério da Saúde britânico. 

Dos cerca de 102 mil testes processados, 530 tiveram resultado positivo (650 no domingo), pelo que o número de casos de contágio desde o início da pandemia de covid-19 passou para 290.133. Estes números são dos mais baixos desde março, mas os valores registados durante o fim de semana são sistematicamente baixos devido ao atraso do processo administrativo. 

O Reino Unido continua a aliviar o confinamento, com diferenças nas restrições e calendário entre Inglaterra e as restantes nações do Reino Unido (Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte) devido à autonomia dos Governos regionais em matéria de saúde. 

Entretanto, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, exortou hoje ao uso de máscaras em lojas e outros espaços fechados, deixando em aberto a possibilidade de ser tornada obrigatório, como acontece na Escócia desde a semana passada. 

Em declarações a jornalistas durante uma visita ao serviço de ambulâncias de Londres que “as proteções para a cara têm um valor real em espaços confinados e penso que o público percebe isso”.

Questionado sobre se o uso deve ser obrigatório, tal já é o caso nos transportes púbicos, Johnson disse que o governo vai olhar para as orientações à população e decidir “nos próximos dias”.

O ministro da Saúde, Matt hancock, revelou hoje que as autoridades de saúde britânicas estão a atuar para suprimir mais de 100 surtos localizados de covid-19 por semana no Reino Unido, mas que nem todas as medidas são divulgadas. 

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 569 mil mortos e infetou mais de 12,92 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.