Hospittal da Huíla com novo laboratório

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O novo laboratório para testes da Covid-19 servirá para dar resposta rápida e concreta às doenças do foro respiratórios no Hospital Central do Lubango, afirmou, nesta segunda-feira, a directora-geral da unidade, Maria Lina Antunes.

O laboratório a ser montado nos próximos dias no Hospital Agostinho Neto, que funciona como unidade universitária, é uma doação à Faculdade de Medicina da Universidade Mandume Ya Ndemufayo, inserida num projecto apoiado por Portugal, que contempla materiais de prevenção da Covid-19, equipamentos de protecção individual e o aparelho PCR-RT.

O laboratório tem capacidade para 120 testes/dia, com os resultados disponíveis em 24 horas, tudo feito localmente.

Conforme a gestora, que falava à Angop, entre os principais beneficiários constam doentes com pneumonias graves, insuficiência respiratória (despiste de casos de Covid-19).

Actualmente estão preocupados com a estrutura física do laboratório, que exige uma antecâmara e um circuito de entrada e saída definido, sendo que o espaço está localizado na parte adjacente ao laboratório de análises.

“Estamos a efectuar pintura, melhoria na instalação eléctrica e adaptar um circuito interno, obrigatório para manter o lugar estéril. Em menos de uma semana vamos ter o local pronto para poder instalar os equipamentos e os adjacentes ao material. Começamos hoje essas pequenas alterações”, explicou.

Destacou terem três especialistas em técnica de PCR, que trabalham também na investigação científica no hospital, para assegurar a análise dos testes, em conjunto com os profissionais da Faculdade de Medicina.

O equipamento, segundo a fonte, vem com mil testes iniciais e a província já se está a preparar para adquirir outros, com a  vantagem de serem menos dispendiosos do que o do laboratório instalado em Luanda.

Informou que a unidade hospitalar tem capacidade para internar 26 doentes e ventilar 13 pacientes com Covid-19 em simultâneo e, havendo a necessidade, podem aumentar,  no máximo até 16 ventilações ao mesmo tempo.

Segundo Maria Lina Antunes, a gestão hospitalar não deixará de lado outras patologias, frisando que os pacientes que carecerem de intervenção cirúrgicas estão, igualmente, incluídos na lista de prioridades.

Depois de Luanda, a Huíla vai tornar-se na segunda província do país a ter capacidade para testar casos da Covid-19.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.