Ensino particular angolano garante condições para recomeço das aulas em 13 de julho

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A Associação Nacional do Ensino Particular (ANEP) assegurou hoje que há condições para o reinício das aulas, agendado para 13 de julho, e que as instituições “estão a ser apetrechadas” com material de biossegurança, devido à covid-19.

“Temos condições criadas para o efeito, temos condições de biossegurança, a ANEP inclusive fechou contrato com vários fornecedores e temos já produtos de proteção que estamos a mandar também para o interior do país”, afirmou hoje à Lusa o presidente da ANEP, António Pacavira.

Segundo o líder associativo, o processo de munir as escolas particulares com material de biossegurança, sobretudo colégios, pelo país está em curso, frisando que “há quem esteja com 100% de condições, outros com 90%”, mas assegurou que até dia 13 espera que estejam garantidas todas as condições.

Se isso não acontecer, defendeu que então deve ser atrasado o arranque das aulas nas escolas sem condições.

A Associação Nacional do Ensino Particular de Angola controla mais de 1.200 filiados, no entanto, sublinhou António Pacavira, a distribuição de material de biossegurança “também é extensiva aos colégios não filiados”.

As aulas no ensino geral e universitário em Angola foram suspensas em março, antes de o Presidente angolano, João Lourenço, declarar estado de emergência, que decorreu entre 27 de março e 25 de maio.

Angola, que vive desde 26 de maio situação de calamidade pública, conta com 315 casos positivos da covid-19, sendo 201 ativos, 97 recuperados e 17 óbitos.

O decreto que determina situação de calamidade pública prevê o reinício da atividade no ensino superior e no segundo ciclo do ensino secundário a partir de 13 de julho embora “dependente da evolução da situação epidemiológica”.

Em relação à garantia do distanciamento dos alunos nas salas de aula, o presidente da ANEP disse que a média nacional no ensino particular é de 25 alunos por sala e nesse domínio “não foi difícil fazer enquadramento”.

“Quanto ao distanciamento, tivemos que reduzir salas com 15 ou 20 alunos dependendo do tamanho da sala, o que alterámos foi o paradigma das escolas com regime integral, onde o aluno entra de manhã e sai apenas de tarde, dividimos em turnos”, concluiu.

O reinício das aulas em Angola continua a dividir opiniões dos intervenientes diretos no setor, país e encarregados de educação, gestores, professores e autoridades que ponderam o regresso devido aumento diário de casos da covid-19.

Para o subsetor do ensino universitário e no segundo ciclo do ensino secundário o recomeço das aulas está agendado para 13 de julho e para o primeiro ciclo do ensino primário para 27 de julho.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.