Cabo Verde, Angola e Moçambique entre os 5 países com maior dívida em África – Fitch

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A agência de notação financeira Fitch Ratings disse hoje que entre os cinco países com um maior rácio da dívida sobre o PIB na África subsaariana estão Angola, Cabo Verde e Moçambique, todos acima de 100%.

“A Fitch estima que o rácio da dívida pública face ao PIB seja mais elevada no final deste ano em Cabo Verde, com 157% do PIB, seguida da República do Congo, com 115%, Moçambique, com 113%, Zâmbia com 110% e Angola com 108%”, lê-se num relatório sobre as economias da África subsaariana.

No documento, enviado aos investidores e a que a Lusa teve acesso, os analistas da Fitch Ratings, detida pelos mesmos donos da consultora Fitch Solutions, dizem que a subida deste rácio desde 2012 foi mais elevado na Zâmbia, onde subiu 86 pontos percentuais, seguido da Angola (82 pontos) e Moçambique, com 73 pontos percentuais.

“O peso da dívida para os governos da África subsaariana está a subir a um ritmo mais rápido e para níveis mais elevados que outros mercados emergentes, evidenciando o risco de mais descidas no ‘rating’ e incumprimentos financeiros [‘defaults’, no original em inglês]”, lê-se na análise.

Os efeitos da propagação da pandemia de covid-19 e o choque petrolífero “estão a ter um impacto severo na região”, escreve a Fitch, apontando que “o PIB real deve cair 2,1%, em média, este ano, e os défices orçamentais deverão alargar-se de 4,9%, no ano passado, para 7,4% este ano”.

A degradação das condições económicas destes países, entre os quais se contam os lusófonos Angola, Cabo Verde e Moçambique, não começou com a pandemia, diz a Fitch Ratings, notando que o agravamento das condições macroeconómicas está em curso há uma década e vai ser difícil de reverter.

Desde o início de março, a Fitch desceu o ‘rating’ de sete dos 19 países a que atribui uma opinião sobre a qualidade do crédito soberano, “refletindo quer a severidade do impacto do novo coronavírus, quer a limitada margem de resiliência dos países depois da rápida subida da dívida, e devido a outras vulnerabilidades de crédito”.

A tendência, concluem, deverá manter-se: “O aumento do peso da dívida, o impacto do novo coronavírus e o choque petrolífero apontam para mais pressão descendente nos ‘ratings’ dos países da África subsaariana”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.