Vacina em África deve ser feita e preparada por africanos – Ramaphosa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Presidente da África do Sul e presidente em exercício da União Africana defendeu hoje que a imunização dos africanos deve ser feito por produtores africanos, num seminário onde os participantes defenderam a urgência de agir imediatamente.

“Precisamos de uma vacina rápida, segura e barata, e a imunização deve ser feita por produtores africanos e preparada em solo africano”, disse Cyril Ramaphosa durante a sua intervenção no seminário que hoje juntou os principais responsáveis pela saúde em África, no primeiro dia de um seminário dedicado à importância da vacina contra a pandemia da covid-19 em África, com o tema ‘A Liderança de África no Desenvolvimento e Acesso a uma Vacina contra a covid-19’.

“Os desafios são enormes, e os recursos também, mas são necessários para garantir a cobertura num continente tão vastos e populoso como o nosso, por isso precisamos de agir com urgência”, alertou o chefe de Estado da África do Sul, um dos países mais fustigados no continente pela pandemia.

Durante o seminário, que termina na quinta-feira, o diretor do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), John Nkengasong, anunciou a primeira participação de africanos num ensaio clínico desenvolvido pela Universidade de Oxford visando a obtenção de uma vacina.

O ensaio, conduzido em larga escala na África do Sul, Reino Unido e Brasil, visa responder à pandemia, que John Nkengasong disse “ter começado devagar mas estar agora a acelerar muito rapidamente”.

“Temos de agir agora, senão África corre o risco de ser deixada para trás numa vacina global”, alertou o responsável durante a conferência.

O número de mortos em África devido à covid-19 subiu para 8.618, mais 284 nas últimas 24 horas, em cerca de 324 mil casos, segundo os dados mais recentes sobre a pandemia no continente.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), o número de infetados é de 324.696, mais 9.286 casos nas últimas 24 horas.

O primeiro caso de covid-19 em África surgiu no Egito em 14 de fevereiro, e a Nigéria foi o primeiro país da África subsaariana a registar casos de infeção, em 28 de fevereiro.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 473 mil mortos e infetou mais de 9,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.