Maláui repete hoje eleições presidenciais anuladas por fraudes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Os eleitores do Maláui regressam hoje às urnas para repetir as eleições presidenciais, após a reeleição de Peter Mutharika, no ano passado, ter sido anulada por fraudes.

Peter Mutharika, 79 anos e no poder desde 2014, volta a candidatar-se, tal como o rival Lazarus Chakwera, com 65 anos.

O terceiro candidato, Peter Kuwani, apresenta poucas hipóteses de atrapalhar o frente-a-frente de Mutharika e de Chakwera.

A Comissão Eleitoral proclamou Mutharika vencedor das eleições de 21 de maio de 2019, com 38,57% dos votos, quase 160 mil a mais do que os obtidos por Chakwera, com 35,41%.

No entanto, Chakwera e outros candidatos consideraram os resultados fraudulentos, apontando irregularidades em numerosos boletins de votos.

Por vários meses, o Maláui, habitualmente um país pacífico, teve nas ruas manifestações da oposição, com casos de violência envolvendo as forças da ordem e diversas audiências perante o Tribunal Constitucional.

Para surpresa geral, o Tribunal Constitucional anulou em fevereiro o escrutínio, uma decisão histórica, confirmando “irregularidades generalizadas e sistemáticas”, algo que Mutharika sempre negou vigorosamente.

Professor na Universidade de Washington, nos Estados Unidos da América, Peter Mutharika é um especialista em direito constitucional e dirige o Partido Democrático Progressista.

Foi eleito em 2014 com a promessa de erradicar a corrupção, na sequência do chamado escândalo ‘cashgate’, que expôs a pilhagem dos cofres do Estado por uma coligação de quadros do partido no poder, altos funcionários do Governo e empresários.

O próprio Mutharika esteve implicado durante o seu mandato presidencial, acusado de ter embolsado 200.000 dólares (177,6 mil euros) de um contrato governamental, mas nunca foi condenado.

Os seus primeiros cinco anos à frente do país foram também marcados pela escassez de alimentos e eletricidade, por uma dívida crescente e por um forte abrandamento do crescimento económico.

O seu principal opositor, Lazarus Chakwera, um antigo pastor evangélico e que lidera o Partido do Congresso do Malawi (MCP), o antigo partido único que governou o país de 1964 a 1994 sob o punho de ferro de Hastings Banda.

Desde o início da era democrática, o seu movimento tem perdido sistematicamente todas as eleições nacionais, mas Chakwera acredita que desta vez pode quebrar esta tendência.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.