Líder da Renamo pede acolhimento dos guerrilheiros desmobilizados

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O presidente da Renamo, principal partido da oposição moçambicana, pediu hoje o acolhimento nas comunidades dos guerrilheiros do braço armado da sua organização, desmobilizados no âmbito do processo de paz assinado com o Governo.

Ossufo Momade falava aos jornalistas numa “comunicação à nação por ocasião do dia da independência nacional”.

“Este processo, mais conhecido por DDR [Desarmamento, Desmobilização e Reintegração], encara desafios como a aceitação e o acolhimento destes compatriotas pela sociedade, sem nenhuma discriminação nem hostilização por terem sido membros das forças da Renamo”, afirmou.

O líder da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) avançou que a sociedade deve criar condições para que os antigos guerrilheiros se sintam moçambicanos com os mesmos direitos e liberdades dos seus compatriotas.

“A reconciliação nacional só será efetiva na medida em que os reintegrados se sentirem moçambicanos com os mesmos direitos e liberdades iguais aos dos demais”, ressalvou Ossufo Momade.

O dirigente assinalou que o principal partido da oposição está empenhado em assegurar um DDR bem-sucedido e com dignidade e humanismo para os seus ex-guerrilheiros.

Sobre as ações armadas da Junta Militar da Renamo, uma ala dissidente do braço armado do partido, aquele líder político condenou a violência armada do grupo, distanciando-se dos ataques a civis e às Forças de Defesa e Segurança (FDS).

“Os cidadãos que protagonizam esses ataques não recebem ordens da Renamo para praticá-los, não recebem nenhuma logística do nosso estado-maior general e não recebem nenhuma deliberação de qualquer órgão do partido Renamo para agir nesse sentido”, frisou Ossufo Momade.

O líder do partido destacou que a liderança e os quadros do principal partido da oposição também têm sido alvo de ameaças por parte da referida Junta.

“Os que atacam na zona centro agem por conta própria e fora da filosofia e orientações do partido Renamo”, insistiu o presidente do principal partido da oposição.

Pelo menos 38 guerrilheiros da Renamo em Sofala entregaram no início deste mês as armas, no âmbito do DDR.

O porta-voz da Renamo, José Manteigas, disse à Lusa que a desmobilização está a ser feita por fases, devido às medidas de prevenção contra a pandemia da covid-19.

Em 03 de dezembro do ano passado, 10 oficiais da Renamo passaram a incorporar as fileiras do Comando-Geral da Polícia moçambicana, no âmbito do processo de pacificação.

O processo de DDR é parte do acordo de Paz e Reconciliação Nacional assinado em agosto do ano passado entre Filipe Nyusi e o líder da Renamo.

Prevê-se que 5.000 ex-guerrilheiros sejam abrangidos com medidas que lhes permitam uma reintegração na sociedade.

O pacto é contestado pela autointitulada Junta Militar da Renamo, uma dissidência da guerrilha do braço armado do principal partido da oposição dirigida pelo general Mariano Nhongo.

O grupo de Mariano Nhongo é acusado de protagonizar ataques no centro de Moçambique, desde agosto do ano passado, visando forças de segurança e civis em aldeias e nalguns troços de estrada da região, tendo causado, pelo menos, 24 mortos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.