Independentistas de Cabinda anunciam mais 11 mortes e pedem mediação internacional

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O movimento independentista Frente de Libertação do Estado de Cabinda – Forças Armadas de Cabinda (FLEC-FAC) anunciou hoje mais 11 mortos em confrontos naquela província angolana e apelou à mediação internacional para encontrar uma solução pacífica para o conflito.

Segundo o porta-voz do Estado-Maior-General das FAC, António do Rosário Luciano, o conflito naquele território de Angola, limitado a norte, a leste e sul pela República Democrática do Congo (RD Congo) e a oeste pelo Oceano Atlântico, ultrapassou já as fronteiras e “ameaça a segurança dos países vizinhos”.

A FLEC-FAC adianta, num comunicado, que os últimos confrontos entre as forças cabindesas e o exército angolano foram registados nos dias 19 e 20 de junho em Mbata-Mbengi, uma aldeia fronteiriça da RDCongo.

No combate, 11 pessoas morreram entre as quais seis civis – que terão sido abatidos por soldados angolanos por suspeita de apoiarem o movimento independente, segundo o comunicado -, quatro militares angolanos e um da FLEC-FAC, registando-se ainda oito feridos.

Os separatistas criticam o intensificar das operações militares angolanas numa altura em que se luta contra o coronavírus e em que as FAC declaram um cessar-fogo unilateral, respondendo ao apelo do secretário-geral da Nações Unidas, António Guterres.

“A política belicista e agressiva do governo angolano ameaça a segurança dos dois Congos, vizinhos de Cabinda”, um território que, segundo a FAC foi “invadido, agredido e ocupado militarmente por Angola desde 1975”.

A FLEC-FAC termina pedindo a intervenção da Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos, da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral e dos governos dos dois Congos “para encontrar uma solução pacífica para o conflito militar entre Angola e Cabinda”.

A FLEC, através do seu “braço armado”, as FAC, luta pela independência no território alegando que o enclave era um protetorado português, tal como ficou estabelecido no Tratado de Simulambuco, assinado em 1885, e não parte integrante do território angolano.

Criada em 1963, a organização independentista dividiu-se e multiplicou-se em diferentes fações, efémeras, com a FLEC/FAC a manter-se como o único movimento que alega manter uma “resistência armada” contra a administração de Luanda.

Mais de metade do petróleo angolano provém desta província angolana.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.