Trump demite procurador de Nova York que investigava seus aliados

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, demitiu o promotor de Nova York que estava investigando alguns de seus aliados e se recusava a pedir demissão, informou o procurador-geral William Barr neste sábado.

“Como você disse que não tinha intenção de se demitir, pedi ao presidente que o demitisse hoje, e ele o fez”, escreveu Barr em uma carta ao procurador federal de Manhattan, Geoffrey Berman, publicada pela imprensa americana.

Barr acusou o promotor Berman de “ter optado pelo entretenimento público em detrimento do serviço público”.

Mas Trump afirmou mais tarde que não tem nada a ver com a demissão de Berman.

“Tudo depende do procurador-geral”, declarou a repórteres na Casa Branca.

“Ele está trabalhando nisso, é o departamento dele, não o meu departamento … não estou envolvido”, falou o presidente.

Desde que foi nomeado por um tribunal federal para chefiar a poderosa promotoria do Distrito Sul de Nova York em 2018, Geoffrey Berman supervisionou o processo contra o ex-advogado de Trump Michael Cohen.

Investigou também os esforços do ex-prefeito e agora conselheiro presidencial Rudy Giuliani para desacreditar os oponentes políticos do presidente.

Ele também investigou dois associados de Giuliani acusados de violar a lei de finanças da campanha e ajudar a difamar o oponente de Trump nas eleições presidenciais de novembro, o democrata Joe Biden, no escândalo na Ucrânia que levou o republicano a um prodesso de impeachment.

Berman também estava investigando crimes cometidos pelo investidor e suposto molestador de crianças Jeffrey Epstein, que era amigo de Trump e seus associados.

Depois de ser demitido, Berman disse no sábado que estava renunciando “imediatamente”.

“Foi uma honra da minha vida servir como procurador distrital deste distrito e como guardião do seu orgulhoso legado”, afirmou em comunicado.

Berman elogiou Audrey Strauss, seu número dois, que permanecerá no cargo em caráter provisório.

“Eu sei que sob sua liderança … a equipe continuará a salvaguardar a tradição de integridade e independência do distrito sul”, disse.

“Estou profundamente preocupado com a demissão repentina de Berman”, especialmente considerando as sérias perguntas sobre quem deu a ordem e o momento dessa demissão “, declarou a promotora geral do estado de Nova York, Letitia James, em comunicado.

– O que acontecerá com as investigações? –

Inicialmente, Barr anunciou a renúncia de Berman na noite de sexta-feira e disse que Trump nomeará Jay Clayton, chefe da Comissão de Valores Mobiliários, um advogado corporativo inexperiente em processos.

Mas Berman, que é republicano e doador da campanha presidencial de Trump, disse que não tinha intenção de renunciar.

“Renunciarei quando o Senado confirmar um candidato nomeado pelo presidente. Até então, nossas investigações prosseguirão sem interrupção”, afirmou.

“A tentativa de Barr de derrubar o promotor Berman na noite de sexta-feira, quando Berman lidera várias investigações politicamente sensíveis ao presidente, certamente ameaça o estado de direito”, disse à AFP Peter Shane, professor de direito da Universidade de Ohio.

O líder democrata no Senado, Chuck Schumer, pediu ao inspetor-geral do Departamento de Justiça que investigasse por que o governo quer que Berman deixe o cargo.

Jay Clayton “pode lidar com essa corrupção, retirar seu nome de consideração e salvar sua própria reputação da ruína da noite para o dia”, escreveu Schumer no Twitter.

Jerry Nadler, chefe democrata do comitê judicial da Câmara dos Deputados, acusou Barr de interferir repetidamente “em investigações criminais em nome de Trump”.

“Temos uma audiência sobre o assunto na quarta-feira”, postou no Nadler no Twitter.

“Congratulamo-nos com o testemunho de Berman e o convidaremos a testemunhar”, anunciou.

– Por que? –

“Barr precisa ser claro sobre por que ele queria Berman fora e, mais importante, garantir que as investigações subjacentes não sejam afetadas por essa mudança de liderança”, disse à AFP Jonathan Turley, professor de direito constitucional da Universidade George Washington.

Nos últimos meses, o governo Trump demitiu ou rebaixou inspetores-gerais do Pentágono, do Departamento de Estado, da comunidade de inteligência e do Departamento de Saúde Pública.

O antecessor de Berman no cargo, Preet Bharara, foi demitido em 2017 depois de se recusar a renunciar ao pedido de Trump.

“Por que um presidente se livra do promotor do distrito sul de Nova York que ele mesmo escolheu na noite de sexta-feira, menos de cinco meses após a” eleição presidencial de 3 de novembro?”, perguntou Bharara no Twitter.

Barbara McQuade, ex-promotora e professora de direito da Universidade de Michigan, explicou à AFP que “por Berman ter sido nomeado pelo tribunal, se Trump o demitir, ele só poderá ser substituído pelo tribunal ou por uma pessoa confirmada pelo Senado americano”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.