Milhares de argentinos marcham contra avanço do Governo sobre propriedade privada

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Milhares de argentinos protestaram, em mais de 80 cidades, com buzinas, panelas e bandeiras, contra a decisão do Governo de expropriar uma das principais agroexportadoras, num primeiro passo contra a propriedade privada em geral.

As manifestações aproveitaram o “Dia da Bandeira”, no sábado, para levantar a união do país em torno da defesa dos direitos constitucionais, num momento em que o Governo decidiu expropriar a Vicentín, uma das principais agroexportadoras do país, e procura uma intervenção em outros setores, afugentando o investimento.

Nos principais centros urbanos, caravanas com centenas de automóveis desfilaram ao som de buzinas, com bandeiras argentinas erguidas. Pelas janelas, milhares de pessoas batiam em panelas em protesto contra o governo.

Os ‘buzinaços’ e os ‘panelaços’ cercaram a residência presidencial de Olivos, em Buenos Aires, a partir da qual o Presidente argentino, Alberto Fernández, acompanhava as manifestações em todo o país.

Por todo o país, milhares de manifestantes empunharam faixas e cartazes com várias palavras de ordem: “Hoje é Vincentín, amanhã é você”, “Não queremos ser Venezuela”, “Pela liberdade e pela República”, “Não à destruição da democracia”.

No interior, o protesto incluiu tratores e marchas com forte concentração em Rosário, onde fica o monumento à bandeira argentina e por onde se escoa a produção agrícola do país, e em Avellaneda, onde se situa a sede da empresa Vicentín.

“A Argentina está muito frágil socialmente e muito fraca institucionalmente. Mais do que nunca, precisamos defender a divisão de poderes”, disse o presidente da Câmara de Avellaneda, Dionisio Scarpin, num discurso sobre a medida de expropriação, considerada inconstitucional por diversos constitucionalistas.

“Esta manifestação não é por Vicentín, mas porque as pessoas sentem que lhes roubam a liberdade”, afirmou Héctor Vicentín, um dos donos da empresa, fundada há 91 anos.

A data do protesto coincidiu com os três meses de uma das quarentenas mais prolongadas do mundo e que tem destruído uma economia já em profunda recessão antes da pandemia.

Setores mais radicais dentro do Governo têm aproveitado a fragilidade financeira das empresas para proporem uma intervenção em mercados e a participação do Estado nas empresas que tenham pedido ajuda financeira, de acordo com observadores.

Estas propostas esbarravam na moderação do presidente Alberto Fernández, que anunciou a intervenção e a posterior expropriação da Vicentín em 08 de junho.

“Muita gente vê neste caso a situação da Venezuela porque afeta a propriedade privada e desfaz a imagem de moderação que Alberto Fernández procurou transmitir para ganhar credibilidade e atrair investimentos”, afirmou o analista político Sergio Berensztein.

“Muitas empresas na Argentina estão numa situação crítica e vulnerável aos embates do Governo que dá sinais de radicalização. O clima de negócios não era bom. Agora, piorou”, avaliou Berensztein.

Este radicalismo está ligado ao chamado ‘kirchnerismo’, setor do ‘peronismo’ liderado pela antiga chefe de Estado (2007-2015) e atual vice-Presidente Cristina Kirchner, aliada histórica do ‘chavismo’ na Venezuela e que tem na classe média, na classe empresarial e no setor agropecuário os grandes inimigos internos.

Sobre os protestos, o Presidente Alberto Fernández disse não estar preocupado porque os manifestantes “estão errados”.

Nas últimas horas, Fernández passou a incentivar uma proposta que significa a participação do Estado na empresa através de uma sociedade mista com privados. A proposta foi classificada como uma “estatização suave” porque o Estado seria o sócio maioritário e a controlar a companhia.

“Se o juiz não aceitar essa proposta, só nos resta a expropriação”, disse, no sábado, Fernández ao juiz Fabián Lorenzini, que está a liderar o processo de recuperação judicial da empresa, iniciado em fevereiro por não poder pagar aos credores.

“O objetivo do Governo continua a ser controlar a companhia”, reiterou o Presidente argentino.

Em fevereiro, a empresa Vicentín entrou em recuperação judicial devido à dívida de 1,2 mil milhões de euros a 2.600 produtores agropecuários, bancos públicos e uma comissão de credores estrangeiros.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.