Assistência às populações vulneráveis em Moçambique estimada em 213 ME

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Governo moçambicano estima em 240 milhões de dólares (213 milhões de euros) o custo da assistência a cerca de um milhão de pessoas vulneráveis no país, devido ao impacto da covid-19.

“Se conseguida a mobilização de recursos, isso vai ter um impacto significativo do ponto de vista social e, sobretudo, para as famílias vulneráveis”, disse Vasco Nhabinde, diretor de Estudos Económicos e Financeiros no Ministério da Economia e Finanças.

Vasco Nhabinde falava hoje em Marracuene, nos arredores da capital moçambicana, no segundo dia da conferência científica organizada pelo Instituto Nacional de Saúde sobre a covid-19.

A assistência será feita através do Instituto Nacional de Ação Social (INAS) de Moçambique, que deverá priorizar projetos de apoio a populações vulneráveis, principalmente em zonas rurais.

Para identificar as famílias em situação de vulnerabilidade no país, segundo o diretor, foi usado o Índice de Pobreza Multidimensional, e, assim, chegou-se ao total de 990 mil pessoas.

“[Alistamos] primeiro os distritos com maior vulnerabilidade e, dentro destes, os bairros. O índice permitiu-nos fazer o seguimento até a base, onde nós conseguimos identificar as famílias”, afirmou Vasco Nhabinde.

Os 240 milhões de dólares fazem parte de um total de 700 milhões de dólares (624 milhões de euros) que o país pediu aos parceiros internacionais para cobrir o défice orçamental face à pandemia.

Metade do valor total, 309 milhões de dólares (275 milhões de euros), já foi disponibilizado pelo Fundo Monetário Internacional e, segundo o ministro da Economia e Finanças, Adriano Maleiane, vários outros parceiros manifestaram a intenção de apoiar o país, com destaque para o Banco Mundial, Banco Africano de Desenvolvimento e a União Europeia.

Moçambique tem um cumulativo de 651 casos positivos de covid-19, quatro óbitos e 169 recuperados.

No âmbito do combate à pandemia, o país vive em estado de emergência desde 01 de abril, prorrogado por duas vezes até 29 de junho.

Estão em vigor várias restrições: todas as escolas estão encerradas, espaços de diversão e lazer também estão fechados, estão proibidos todo o tipo de eventos e de aglomerações, recomendando-se à população que fique em casa, se não tiver motivos essenciais para tratar

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.