Angola deve tirar proveito do adiamento da dívida da China

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O economista e jornalista João Armando defende a necessidade do Executivo angolano tirar o máximo proveito do adiamento, durante três anos, do pagamento da dívida bilateral para com a China.

Recentemente  o governo da China anunciou a suspensão do pagamento da dívida, a partir de  Maio deste ano, de um grupo de 77 países e regiões em desenvolvimento, incluindo Angola.

Para o economista, o dinheiro, neste período de moratória de três anos, cujo processo ainda está em negociações entre as partes, deve ser aproveitado de modo racional, para fomentar a produção interna e devolver o poder de compra aos cidadãos.

João Armando que foi orador nesta quinta-feira, via webinar, no encontro sobre o Desenvolvimento Económico e a covid-19, numa promoção da Câmara de Comércio e Indústria Angola e Alemanha aponta, entre várias prioridades, a manutenção dos serviços já existentes e a recuperação do consumo interno.

”  Há sempre esta tendência quando do há folga no país comprar coisas novas ao invés de se olhar para melhoria daquilo que já existe”, disse João Armando quando respondia a uma questão de um participante no encontro.

Lembrou ainda que não há desenvolvimento económico sem a recuperação do consumo, que no seu entender passa pelo aumento da capacidade de produção e compra interna, por parte das famílias.

Acrescentou que as medidas devem estar vocacionadas para que haja maior consumo  e este, por sua vez, seja suportado pelos “players” investidores que actuam no mercado.

Durante a sua prelecção, João Armando falou sobre as medidas e políticas em curso em Angola  para o alívio económico face ao actual contexto.

O processo de privatização dos activos do Estado, a prestação dos serviços financeiros nas empresas, o actual quadro da política fiscal, as insuficiências  no sector de logística, foram entre outros pontos abordados pelo economista.

Baseada na Alemanha, Rena Terfrutche, bancária e especialista em instituições financeiras de desenvolvimento também falou sobre a estratégia que o seu país definiu para fazer frente à covid-19.

Uma das estratégias foi injectar  1,3 biliões de euros para apoiar o sector da saúde, 50 mil milhões de euros para as micro, pequenas empresas, além da suspensão de taxas.

No encontro foi reiterado, que  a Alemanha mantém o apoio a Angola, através da linha de crédito e a outros países africanos para alavancarem as suas economias.

A linha de crédito do Deutsche Bank da Alemanha de mil milhões de dólares disponíveis para o sector agro- industrial em Angola pode constituir uma das provas do referido apoio.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.