Pelo menos 443 mil mortos e mais de 8,1 milhões de infetados em todo mundo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A pandemia do novo coronavírus já causou a morte a pelo menos 443.821 pessoas e infetou mais de 8,1 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP baseado em dados oficiais.

De acordo com os dados recolhidos pela agência de notícias francesa até às 12:00 de Lisboa, já morreram pelo menos 443.821 pessoas e há mais de 8.192.130 infetados em 196 países e territórios desde o início da epidemia, em dezembro de 2019 na cidade chinesa de Wuhan.

Pelo menos 3.768.400 casos foram considerados curados pelas autoridades de saúde.

Contudo, a AFP adverte que o número de casos diagnosticados reflete apenas uma fração do total real de infeções, já que alguns países estão a testar apenas casos graves, outros usam o teste como uma prioridade para rastreamento e muitos países pobres têm apenas capacidade limitada de rastreamento.

Os Estados Unidos, que registaram a primeira morte ligada ao coronavírus no início de fevereiro, são o país mais afetado em termos de número de mortes e casos, com 116.963 e 2.137.731 casos, respetivamente. Pelo menos 583.503 pessoas foram declaradas curadas.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Brasil com 45.241 mortes e 923.189 casos, Reino Unido com 41.969 mortes (298.136 casos), Itália com 34.405 mortes (237.500 casos) e França com 29.547 mortes (194.217 casos).

A China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau) contabilizou oficialmente um total de 83.265 casos (44 novos entre terça-feira e hoje), incluindo 4.634 mortes e 78.379 recuperações.

A Europa totalizou 189.155 mortes para 2.445.674 casos, Estados Unidos e Canadá 125.233 mortes (2.237.198 casos), América Latina e Caraíbas 83.704 mortes (1.749.676 casos), Ásia 26.307 mortes (907.066 casos), Médio Oriente 12.328 mortes (584.041 casos), África 6.963 mortes (259.712 casos) e Oceâ nia 131 mortes (8.768 casos).

Esta avaliação foi realizada com dados recolhidos pela AFP junto de autoridades de saúde e informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A AFP avisa que devido a correções pelas autoridades ou a publicação tardia dos dados, os valores de aumento de 24 horas podem não corresponder exatamente aos publicados no dia anterior.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.