Lunda Norte prepara regresso de 221 angolanos da RDC

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

As autoridades angolanas estão a criar as condições para o regresso de 221 cidadãos angolanos que se encontram ao longo da fronteira entre a província do Kwango, República Democrática do Congo (RDC) ,e da Lunda Norte (Angola), prevista para o dia 25 do mês em curso.

A RDC já soma mais de três mil casos positivos da covid-19, dois dos quais na província do Kwango, vizinha dos municípios do Cuilo, Caungula e Cuango (Angola).

A informação foi avançada hoje, terça-feira, no Dundo, pelo delegado do Interior na Lunda Norte, Alfredo Quintino “Nilo”, durante a reunião da Comissão Multissectorial de Resposta à Pandemia da Covid-19.

Para o efeito, disse que, recentemente, foi realizado um encontro com as autoridades congolesas para se definir as condições para o repatriamento dos mesmos, acrescentando que a situação está a ser bem estudada para se evitar a infiltração de cidadãos congoleses no grupo.

Os cidadãos em causa residiam nesta província por razões várias e  devido à Covid-19 manifestam a intenção de regressar ao país, mas, por questões de segurança e no âmbito das medidas de prevenção impostas pelos dois governos, aguardam autorização das autoridades dos dois países para o efeito.

Caso seja concretizada a acção, os cidadãos serão colocados em quarentena institucional.

Rastreio

Mil e dez cidadãos com idades acima dos 60 anos de idade, do município de Chitato, Lunda Norte, beneficiaram este mês de um rastreio gratuito, tendo sido diagnosticados com hipertensão arterial, malária e infecções respiratórias agudas.

De acordo com o director do Gabinete Provincial da Saúde, Gimi Nhunga, a campanha, que prossegue no Chitato e Cambulo, envolve 20 profissionais de saúde em diversas áreas.

Regressos às aulas

A província da Lunda tem as condições criadas para o reinício das aulas no II ciclo do ensino secundário, a partir do dia 13 de Julho próximo, assegurou, o director do Gabinete Provincial da Educação, Frederico Barroso, no final da reunião ordinária da Comissão Multissectorial de Resposta à Covid-19.

Disse que grande parte das escolas deste nível de ensino têm água canalizada e nas que não possuem estão a ser instalados recipientes para permitir a higienização das mãos.

Explicou que as aulas serão leccionadas em dois períodos, com 50 por cento do número de alunos/turma, sendo que a carga horária será reduzida para 30 minutos.

A província conta com 15 escolas do II ciclo, entre as quais um Instituto Médio Politécnico, uma escola técnica de saúde, dois magistérios primários.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.