Governo quer lapidar no país 20% dos diamantes brutos que produz

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O governo angolano quer lapidar 20% dos diamantes brutos que produz, anunciou hoje o ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, Diamantino Azevedo, considerando ser um “desafio enorme”, porque o país lapida atualmente apenas 2% da sua produção.

Segundo o governante, que falava em Luanda, durante a cerimónia de apresentação do Polo de Desenvolvimento Diamantífero de Saurimo, a “meta essencial” que reconhece não ser fácil de atingir surge no âmbito da nova política de comercialização de diamantes e o seu regulamento.

“Efetivamente é um desafio enorme, não é fácil chegar a 20% da lapidação, hoje talvez estejamos a lapidar cerca de 2% da nossa produção, é irrisório e por isso para chegarmos aos 20% vamos ter que trabalhar muito”, afirmou.

Para Diamantino Pedro Azevedo, no decurso das ações do setor esta meta estará patente, admitindo, no entanto, que a mesma “não será atingida neste e nem provavelmente no próximo mandato”, mas, insistiu, “é o desafio” que pretende atingir.

Angola produz cerca de 9 milhões de quilates de diamantes/ano e cerca de 90% produção tem origem na província angolana da Lunda Sul, leste do país, onde está a ser construído o polo orçado em 77 milhões de dólares (68,2 milhões de euros).

O ministro angolano considerou também que a pandemia de covid-19 veio “agravar ainda mais” as dificuldades da indústria diamantífera, uma vez que os “diamantes sintéticos tornam igualmente mais difícil a atividade de diamantes naturais”.

“E isso exige de nós mais responsabilidade e trabalho”, exortou o governante aos operadores angolanos e estrangeiros presentes na cerimónia.

Quatro fábricas de lapidação de diamantes operam em Angola, todas em Luanda, e no polo de Saurimo, cuja conclusão está prevista para novembro próximo, deve congregar mais quatro fábricas de lapidação.

De acordo ainda com o governante, as quatro fábricas de lapidação em construção no polo de Saurimo, Lunda Sul, constituem “âncoras do projeto como garantias de materialização do empreendimento”.

“E esta infraestrutura está ser erguida em Saurimo, porque não seria fácil iniciar polos de lapidação ao mesmo tempo em várias províncias”, explicou.

As autoridades angolanas estimam que o Polo de Desenvolvimento Diamantífero de Saurimo, infraestrutura que está a ser erguida numa área de mais de 305 mil quilómetros quadrados, deve criar cerca de 5.000 empregos diretos e indiretos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.