Governadores ponderam reinício das aulas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Os governadores das 18 províncias do país recomendaram, esta segunda-feira, o adiamento do reinício das aulas do ensino primário, previsto para 27 de Julho próximo.

Conforme os governantes, que participaram de uma vídeo-conferência, não estão reunidas as condições para o regresso das crianças à escola na data indicativa.

A actividade lectiva foi suspensa em finais de Março, devido à ameaça de proliferação do novo coronavírus, que já infectou 140 pacientes em Angola e fez seis mortos.

A retomada das aulas estava a depender, no entanto, da situação  epidemiológica do país.

Para tal, o Governo impôs a obrigatoriedade de as instituições de ensino garantirem condições para o distanciamento físico, à entrada e dentro do edifício escolar, higienização, entre outras medidas de prevenção contra a pandemia da covid-19.

Segundo a ministra de Estado para a Área Social, Carolina Cerqueira, que presidiu a vídeo-conferência, as sugestões serão levadas aos membros da Comissão Multissectorial para a Prevenção e Combate à Covid-19.

Disse que serão analisadas e as conclusões remetidas ao Presidente da República, João Lourenço, para a decisão final.

De acordo com Carolina Cerqueira, há unanimidade em relação ao não reinicio das aulas no ensino primário e I ciclo do ensino secundário, por abarcar crianças que podem ter dificuldades em observar as medidas de biossegurança.

Outro factor que inibe o reinício das aulas, neste subsistema, é a falta de água, infra-estruturas precárias e falta de vigilantes nas escolas.

Para os níveis subsequentes (II ciclo do ensino secundário e universitário), acrescentou, será respeitado o calendário determinado, com excepção da província de Luanda, por ser o epicentro da doença e por ter o maior número de escolas e alunos.

Segundo o cronograma reajustado do Ministério da Educação (MED), o primeiro trimestre vai de 13 de Julho a 28 de Agosto e o segundo de 31 de Agosto a 31 de Dezembro.

A partir desse período, o ano lectivo, que teria duração de 180 dias, será encurtado a 126 dias, devido à Covid-19.

O Governo determina também a adequação do sistema de avaliação, na sequência da pandemia de Covid-19.

As escolas terão que reduzir o número de alunos por turma. O MED prevê que as salas deverão ser divididas em dois, com duas horas e meia de aulas por grupo.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.