Detidos mais de 100 cidadãos da RDC

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Cento e trinta e um cidadãos da República Democrática do Congo (RDC) foram detidos e repatriados ao país de origem, no fim-de-semana, numa operação conjunta entre a Polícia de Guarda Fronteira (PGF) e Serviço de Migração e Estrangeiros (SME), por violação da fronteira.

No âmbito da prevenção e combate a propagação e/ou importação de casos positivos da covid-19, o Governo angolano impôs medidas, entre as quais o encerramento das fronteiras terrestres, marítimas e aéreas, permitindo apenas a circulação de viaturas que transportam produtos da cesta básica, fármacos e material de construção.

Segundo uma nota da corporação enviada à ANGOP, alguns dos imigrantes foram detidos em zonas de exploração diamantes, no sector de Cassanguidi, município de Cambulo, e na fronteira de Chissanda, segundo uma nota da Polícia Nacional.

Rastreio

Depois do Chitato, as autoridades sanitárias estenderam a campanha de rastreio no município de Cambulo, onde neste fim-de-semana, foram rastreadas 67 famílias, que beneficiaram de exames grátis de malária, gripe aguda, doenças respiratórias agudas, hipertensão, VIH/Sida e tuberculose.

Segundo a porta-voz da Comissão Multissectorial de Resposta à Covid-19, Filomena Simão, os resultados dos exames serão divulgados nos próximos dias, acrescentando que a campanha visa a criação de um banco de dados de cidadãos com doenças crónicas e que carecem de atenção especial.

Disse que durante a campanha os cidadãos foram aconselhados ao uso obrigatório de máscaras, lavagem regular das mãos com água e sabão, ao distanciamento físico e a contribuírem com combate a imigração ilegal, através de denúncias.

Igrejas

A administradora municipal de Lucapa, Maria Muegita, manteve domingo, um encontro com os líderes religiosos, no sentido de se inteirar das condições de biossegurança que estão a ser criadas nas igrejas, para o retorno dos cultos, no dia 24 de Junho.

No encontro, os 48 líderes religiosos asseguraram que estão a criar as condições para permitir o distanciamento físico durante os cultos, bem como para a higienização das mãos.

Actualmente, segundo um memorando conjunto, as igrejas estão a criar condições para desinfectar os assentos, as portas e outros objectos e a sensibilizar os seus membros para aquisição de máscaras de tecido, por serem reutilizáveis.

Informaram que passarão a realizar três a quatro cultos nos sábados e domingo, com um número não superior a 50 por cento dos membros.

A administradora municipal orientou, na ocasião, a comissão municipal multissectorial para fiscalizar as condições que estão a ser criadas nas igrejas, para garantir a biossegurança.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.