Presidentes de Brasil e Rússia acordam cooperação para combate à pandemia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Os presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e da Rússia, Vladimir Putin, acordaram hoje, numa conversa telefónica, cooperar no combate à pandemia de covid-19 nos seus países, dois dos mais afetados em todo o mundo.

O anúncio foi feito pelo chefe de Estado brasileiro na plataforma Twitter.

“Nesta manhã, conversei com o Presidente da Rússia, Vladimir Putin. Concordamos em aprofundar ainda mais a cooperação entre nossos países, inclusive no combate à covid-19”, escreveu Jair Bolsonaro.

Segundo os números da Universidade Jonhs Hopkins, o Brasil regista o segundo maior número de mortes (43.332) e de casos de covid-19 (867.624) no mundo, apenas superado pelos Estados Unidos.

Por sua vez, a Rússia ocupa o terceiro lugar em número de contágios (536.484) e o 13.º lugar em termos de vítimas mortais (7.081), refere a mesma fonte.

No sábado, o Governo de Putin anunciou que irá iniciar, em julho, os ensaios clínicos, com seres humanos, de uma vacina contra o novo coronavírus, pretendendo começar a produzi-la em grande escala a partir de setembro.

Moscovo refere que dez centros científicos do país estão a trabalhar no desenvolvimento da vacina e de medicamentos para combater a doença.

De acordo com os dados oficiais, o número de casos de covid-19 em solo russo diminuiu significativamente desde o pico, em maio.

Por outro lado, o Brasil verifica um aumento diário, sendo que o pico da curva de infeção é esperado para julho.

Apesar disto, governos regionais e municipais iniciaram processos de cancelamento ou suspensão das medidas de confinamento e distanciamento social que tinham sido impostas.

Bolsonaro sempre se mostrou contra o confinamento, alegando que a suspensão de atividades económicas pode provocar mais mortes que a própria doença provocada pelo vírus SARS-CoV-2.

No ‘tweet’, Bolsonaro refere que falou com Putin também sobre a próxima cimeira de chefes de Estado e de Governo dos BRICS, um fórum de coordenação política que integra grandes economias emergentes — Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

“Tratamos também dos resultados que queremos atingir na próxima Cimeira do BRICS, em São Petersburgo”, escreveu Bolsonaro.

A cimeira estava inicialmente prevista para junho, mas Putin anunciou, no mês passado, que esta seria adiada para uma data ainda por determinar devido à pandemia.

Em novembro, durante uma reunião oficial em Brasília, os dois chefes de Estado anunciaram várias iniciativas de cooperação nas áreas da energia, tecnologia espacial e biotecnologia.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 433 mil mortos e infetou mais de 7,9 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.