Apoiantes de Bolsonaro pedem intervenção militar em frente à sede do Exército

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Um grupo de cerca de 250 apoiantes do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, manifestou-se hoje em frente à sede do Comando Geral do Exército, em Brasília, para pedir uma “intervenção militar”.

Os manifestantes carregavam cartazes com proclamações como “SOS Forças Armadas”, “Intervenção militar com Bolsonaro no poder” e “Nova aliança anticomunista”, segundo constatou a agência espanhola Efe.

Também levavam vestidas camisolas amarelas e bandeiras do Brasil, sob o olhar atento da polícia militar, que vigiava a segurança das instalações.

Os simpatizantes de Bolsonaro mudaram-se para o quartel-general do Exército depois de o Governo ter decidido encerrar ao público a Esplanada dos Ministérios durante o dia de hoje, a fim de evitar aglomerações devido à pandemia de covid-19.

A Esplanada dos Ministérios, uma ampla avenida no centro da capital brasileira, onde estão concentrados os edifícios do poder público, tem sido nas últimas semanas palco de protestos, em grande parte a favor do chefe de Estado.

Nesses atos, descritos como “antidemocráticos” pela oposição e em que Bolsonaro tem participado, pede-se o “encerramento” do Parlamento e da Suprema Corte.

Bolsonaro, capitão de reserva do Exército e líder da extrema-direita brasileira, mantém um braço de ferro com alguns poderes legislativos e judiciais, que suspenderam ou alteraram algumas das medidas mais polémicas, como a liberação de armas à população civil.

No sábado, um grupo autodenominado “300 do Brasil”, formado por cerca de 30 ativistas de extrema-direita investigados por divulgar notícias falsas na internet, protestou novamente contra esses dois poderes em Brasília.

O grupo lançou fogo-de-artifício em direção à sede do tribunal superior e fez ameaças a alguns magistrados, segundo foi divulgado nas redes sociais.

Antes, os manifestantes dirigiram-se ao Congresso e ocuparam a cúpula do edifício por alguns minutos com os gritos de “intervenção militar”.

Este grupo montou há algumas semanas um acampamento na Esplanada dos Ministérios, mas, na véspera, o governo decidiu fechá-lo porque, segundo alegou, violava as restrições impostas contra o coronavírus.

Os protestos deste domingo fazem parte de um novo dia de manifestações convocadas pelos apoiantes de Bolsonaro, bem como os opositores do mesmo.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo número de infetados e de mortos (mais de 850 mil e 42.720, respetivamente) depois dos Estados Unidos.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 430 mil mortos e infetou mais de 7,7 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.